Portugal recebe 93 galardões “Green Key”

Este ano foram atribuídos 93 galardões “Green Key” em Portugal. Esta é uma distinção internacional que premeia hotéis, unidades de alojamento local, parques de campismo e restaurantes que implementam boas práticas ambientais e sociais e promovem a educação ambiental para a sustentabilidade.

Só a Madeira e galardão contemplou 31 estabelecimentos turísticos, cerca de um terço do total nacional. De entre eles constam as unidades hoteleiras da Savoy Hotels & Resorts, nomeadamente, o Royal Savoy, o Savoy Calheta Beach, o Savoy Gardens e o Savoy Saccharum.

Trata-se de uma iniciativa da responsabilidade da Foundation for Environmental Education (FEE), que em Portugal é coordenada pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE).

O galardão “Green Key”, sinónimo de Turismo Sustentável, é atribuído por um júri nacional que avalia presencialmente os estabelecimentos candidatos, que se destacam pela dinamização das actividades de educação ambiental para a sustentabilidade através da promoção de uma eficiente gestão de recursos naturais, na reciclagem dos resíduos, no uso de produtos de limpeza amigos do ambiente, na preferência por produtos alimentares provenientes de agricultura de proximidade e biológica e na promoção de actividades ao ar livre.

“Ao nível das ilhas, penso que este é um exemplo a seguir”, disse Miguel Albuquerque durante a cerimónia de entrega do galardão ‘Green Key’, na Madeira.

José Archer, presidente da Associação Bandeira Azul da Europa, responsável pelo programa ‘Green Key’, explicou que a região representa um terço dos galardoados a nível nacional, sendo que 50% dos troféus atribuídos a hotéis pertencem à Madeira. “O galardão distingue, acima de tudo, uma atitude diferente que o estabelecimento turístico tem na sua forma de estar e de ser e isto implica o envolvimento de todos, desde a gestão ao pessoal e aos visitantes e hóspedes, numa nova atitude em termos de sustentabilidade”, explicou José Archer.

Para o presidente do Governo Regional, a sustentabilidade ambiental é “prioritária” entre as políticas do seu executivo, para realçar que o novo Plano de Ordenamento Turístico determina que esta é uma “condição fundamental” para a aprovação de qualquer projecto hoteleiro.