Portugal tem que comunicar melhor a sua imagem no mercado alemão

Esta uma das ideias transmitidas por Markus Zahn, CMO do operador turístico alemão Olimar, durante a apresentação do catálogo “Portugal 2013”. O responsável falou das tendências do mercado alemão e deixou claro que Portugal “não tem um problema de produto” mas deve investir na promoção e comunicação da sua imagem. Segundo o responsável, “o mercado alemão está estável”, embora “muito sensível ao preço”, com 1/3 dos turistas a fazerem férias dentro da Alemanha ou nos destinos de proximidade, como a Suíça e a Áustria, enquanto outro terço demanda a Europa Mediterrânica, em que Portugal está inserido. Quanto ao último terço, divide-se praticamente entre a Turquia e os destinos de longo curso. Como tendências de mercado apontou as “viagens mais curtas mas também mais frequentes”, a diminuição do número de turistas a viajar em famílias com crianças e, por oposição, o aumento de faixa etária dos que viajam. Por outro lado, acrescentou, o mercado alemão continua a dar muita importância à segurança e à situação política dos destinos para onde viaja. Neste caso, afirmou, “no momento, a imagem de Portugal na Alemanha é muito positiva. Muito diferente, por exemplo, da Grécia ou mesmo da Itália ou da Espanha”. Como pontos positivos de Portugal destacam-se o clima, as praias, a autenticidade, a variedade das regiões, a qualidade dos hotéis, a oferta de gastronomia, cultural, golfe e saúde e bem-estar. No pólo oposto, como pontos menos positivos contam-se, segundo disse Markus Zahn, “a concorrência com outros destinos e o nível de preços” face aos seus concorrentes, bem como a “escassez de ligações aéreas, especialmente para o Algarve” já que “para Lisboa não temos problemas”. Embora seja visto como um país seguro e um destino agradável, na promoção e comunicação da sua imagem, Portugal é ainda muito “low profile”, o que leva a que o destino não consiga captar mais de 1% do mercado turístico alemão. Dito de outra forma: “Portugal não tem problema com o produto, tem apenas um problema com o «brand» e com a comunicação”, afirmou. Mesmo assim, nos últimos anos, o número de turistas alemães que tem vindo a Portugal pelas “mãos” da Olimar, que tem em Portugal 80% do seu negócio, tem aumentado: em 2011, o crescimento foi de 6%, em 2012 foi de 3% e no momento “a situação das reservas é muito positiva, temos mais 10%” de reservas que na mesma altura do ano passado. Por regiões, 30% dos clientes da Olimar para Portugal têm como destino o Algarve, 15% a Madeira, os city breaks em Lisboa e Porto pesam 20%, costa de Lisboa 15%, Alentejo, Centro e Norte com 10% e outros 10% destinam-se aos Açores. M.F.