Programa do circuito da Boavista apresentado em Lisboa

No âmbito da cerimónia de assinatura do protocolo de cooperação entre a ATL e a ATP, o presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, e o vice-presidente da autarquia e vice-presidente da ATP, apresentaram o programa do Circuito da Boavista, que decorre no Porto nos dias 21, 22, 23, 28, 29 e 30 de Junho. Distribuído por seis dias, o evento tem como grande atracção, no primeiro fim-de-semana o Grande Prémio Histórico do Porto que levará a este circuito completamente urbano, alguns dos mais míticos automóveis do passado, desde os monolugares da Fórmula Ford aos carros sport antigos ou aos protótipos e GT. No segundo fim-de-semana a grande atracção será a etapa portuguesa do Campeonato do Mundo da FIA de Carros de Turismo. Mas ao todo serão 11 as provas que se realizarão no Circuito da Boavista. Antes de mais o circuito da Boavista é um importante cartaz turístico para a cidade. Em 2011, ao longo de dois fins-de-semana foram ali realizadas 31 corridas, tendo passado por ali 463 pilotos, 338 viaturas e 220.000 espectadores, levando a ocupação hoteleira da cidade a ficar perto dos 80%. As 17 horas de cobertura televisiva da Eurosport, com quase seis horas de directos, chegaram a 6,9 milhões de pessoas. Já o retorno cifrou-se nos 9,1 milhões de euros. Este ano há uma atracção mais para os visitantes: a estreita ligação entre o Circuito e o São João, a festa mais importante da cidade do Porto. Para o presidente da Câmara do Porto, a coincidência de datas entre os dois eventos será ?um empurrão para a promoção do São João? enquanto cartaz turístico junto dos mercados externos, o que se insere na própria estratégia de promoção turística do Porto. A propósito, Rui Rio sublinhou ainda que uma cidade como o Porto ?necessita de ter uma estratégia de grandes eventos que projectem o nome para o exterior e que em determinados momentos trazem milhares de pessoas ao Porto?. Além da aposta em grandes eventos, a estratégia seguida no Porto ao longo dos últimos anos, disse o autarca, passou também pela ?aposta no site da cidade?, na ?aproximação?entre a cidade e o aeroporto e na ?reabilitação urbana? na certeza de que ?quem vem ao Porto vem para ver o que a cidade tem de único?. A propósito, teceu críticas ao governo por considerar que o que está a ser feito em termos do património urbano do Porto é ?inadmissível do ponto de vista da gestão para o país e da gestão da economia nacional?. M.F.