Quarto de século da Soltrópico tem uma “jóia da coroa” chamada Cabo Verde

Na comemoração dos 25 anos da Soltrópico, Tiago Raiano, administrador, falou da operação para 2016, sublinhando o aumento de lugares para o destino Cabo Verde. A propósito lembrou também a alteração realizada há cerca de um ano na estruturação do operador, a qual, disse, “foi muito para além da redução de destinos”.

Tiago Raiano começou por se referir à história da Soltrópico que considerou estar dividida em três etapas, coincidindo a primeira com “o signo de Cabo Verde”, a segunda com o assumir de outros destinos e o último momento, que vem desde 2007, em que o operador se assume “efectivamente como um operador de generalista”.

O ano passado o operador procedeu a alterações no paradigma do seu posicionamento no mercado e que se prenderam, principalmente com uma atenção muito particular à qualidade do serviço prestado, à criação de estruturas nos destinos, onde ganha relevo a fundação da Soltrópico Cabo Verde e à estratégia de comunicação.

Sobre a operação 2016, o administrador sublinhou o aumento em 60% do número de lugares disponibilizados para Cabo Verde. “Além dos lugares que temos na TAP e nos TACV, que são significativos”, a Soltrópico vai ter “um charter que vai fazer o Porto-Sal no Verão e um charter que vai fazer Lisboa-Sal também no Verão”. O responsável adiantou que “as datas serão obviamente ajustadas em termos de operações mas claramente que entre Junho e Setembro estará garantido, mas é natural que essas datas possam ser prolongadas e haver mais umas semanas de operação”.

Relativamente à Boavista, Tiago Raiano adiantou que a Soltrópico irá ter uma operação com base em voos TAP, a que se somará um charter à partida de Lisboa na Primavera/Verão e dois charters do Porto na época de Verão. “Com esta alteração, fruto da parceria que fizemos [com a Solférias], voltamos a repor o número de lugares que tínhamos e crescemos em número de lugares em relação àquilo que era no momento em que os dois operadores estavam separados”.

A propósito sublinhou que “estamos a falar em mais de 60% no número de lugares na operação para Cabo Verde no próximo ano, o que mostra o fruto de uma parceria bem conseguida e, sobretudo, a visão estratégica da Soltrópico, quer seja para Cabo Verde, quer seja para outros destinos onde estamos com outros operadores, nomeadamente em Porto Santo e Saidia onde estamos com a Abreu e o mesmo se irá passar em relação a outros destinos”. Estas parcerias, explicou, são “algo que encaramos de uma forma muito natural e, sobretudo, encaramos como algo que serve o mercado de forma mais consistente”