Raúl Martins: “Queremos manter a nossa hotelaria competitiva”

Revisão da legislação hoteleira, regulação do alojamento local, linhas de apoio financeiro ao sector, flexibilização da legislação laboral, participação dos privados na promoção turística e fiscalidade foram alguns dos temas abordados pelo novo presidente da AHP, Raúl Martins, na cerimónia de tomada de posse dos corpos sociais da Associação para o triénio 2016-2018, que teve lugar esta quarta-feira.

Na sua intervenção, Raúl Martins lançou reptos à secretária de Estado do Turismo, ao ministro da Economia e aos associados, e deixou também um aviso às autarquias.

À secretária de Estado pediu que a revisão do Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos tenha em conta “os ajustamentos que atendam e respondam” aos novos desafios da actividade hoteleira.

Pediu também a intervenção da tutela na regulação do alojamento local, que em Portugal confunde alojamento colectivo com individual, alojamento turístico com habitação. “Portugal teima em negar que existe um problema”, afirmou a propósito o novo presidente da AHP que chamou a atenção para os problemas de “isenção de responsabilidades” que a actual legislação acarretou.

Ao ministro da Economia pediu apoio para que a hotelaria possa manter-se competitiva em Portugal: “Queremos manter a nossa hotelaria competitiva”, afirmou, para o que é necessário que as empresas tenham acesso a sistemas financeiros que permitam a recuperação da gestão das unidades. Por outro lado, lembrando que os principais destinos turísticos do país, Lisboa, Algarve e Madeira, não têm acesso ao Portugal 2020, Raúl Martins afirmou ser “fundamental” haver linhas específicas de apoio financeiro para que também estas unidades possam ser competitivas.

Repensar a partição do IVA turístico e flexibilizar a legislação laborar no sector, foram outras questões abordadas pelo novo presidente que deixou um alerta aos autarcas: “a AHP está, e estará, sempre contra as taxas turísticas quando estas não tenham contrapartidas para a hotelaria e o turismo”.

Deixaria ainda um repto para que os associados da AHP participem mais na vida de uma Associação que está neste momento a “reforçar a sua representação regional”.