Relatório da UE-OMT explica o turismo na União Europeia

O relatório “Tendências do Turismo na União Europeia”, elaborado pela OMT – Organização Mundial do Turismo em cooperação com a Comissão Europeia, destaca os principais benefícios sociais e económicos do turismo para os 28 países da União Europeia.

Os destinos da União Europeia receberam 538 milhões de visitantes internacionais em 2017, 40% do total mundial, num crescimento de 8%. A União Europeia tem vindo a registar um crescimento contínuo das chegadas de hóspedes estrangeiros desde a crise de 2009, com taxas de crescimento anuais superiores a 4% nos últimos cinco anos.

Os países da UE ganharam 342 mil milhões de euros em receitas de turismo em 2016, 31% do total mundial. Enquanto estes países apresentam receitas superiores em turismo, do que os seus residentes gastam em turismo internacional (315 mil milhões de euros), a União Europeia possui um excedente de 27 mil milhões de euros na balança comercial de viagens.

Estima-se que o transporte internacional de passageiros tenha gerado 67 mil milhões de euros, o que resulta num total de receitas de exportações em turismo de 409 mil milhões de euros, 6% das exportações globais da UE, tornando o turismo na quarta maior categoria de exportação. São mais de 2 milhões as empresas dedicadas ao turismo na UE, a maioria PME, empregando cerca de 12 milhões de pessoas, com a contribuição directa do turismo para as economias individuais para o PIB a atingir valores até aos 11%.

O turismo na União Europeia é impulsionado por visitantes nacionais e internacionais. As unidades de alojamento ofereceram 31 milhões de camas em 2016, resultando em mais de 3 mil milhões de dormidas, metade das quais para hóspedes nacionais e outra para internacionais. Das 1,5 mil milhões de dormidas internacionais, 1,1 mil milhões dizem respeito a hóspedes de países da UE e 413 milhões por hóspedes de fora da UE.

Zurab Pololikashvili, secretário-geral da OMT, atesta que “o crescimento sustentado do turismo tem sido fundamental na recuperação económica de muitos países na Europa e no mundo, contribuindo para a criação de emprego, crescimento económico e uma balança de pagamentos saudável”.