Restauração e Alojamento criaram 29% dos novos postos de trabalho em 2017

De acordo com os dados divulgados pelo INE, os sectores da restauração e bebidas e do alojamento turístico foram responsáveis, em conjunto, por 29,1% do total de novos empregos criados o ano passado em Portugal ou, dito de outra forma, geraram 120 novos postos de trabalho por dia.

Restauração e bebidas e alojamento turístico registaram, o ano passado, 323,2 mil postos de trabalho, o que significa um aumento de 15,8% face ao ano anterior. Ao todo, entre 2016 e 2017 estes sectores geraram mais 44.000 postos de trabalho, número que representou 29,1% do total de novo emprego que o ano passado foi criado no país.

Para a AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal estes dados vêm confirmar “a relevância da estabilidade fiscal, com a reposição do IVA dos serviços de alimentação e bebidas na taxa intermédia a proporcionar o clima de confiança necessário para que as empresas tenham a capacidade de manter e gerar novo emprego”.

Por si só, o sector da restauração foi responsável, em 2017, pela criação de 35.000 novos postos de trabalho (+16,1%) enquanto no sector do alojamento foram criados mais 9.000 empregos (+14,5%).

No que se refere especificamente ao último trimestre do ano passado, os sectores da restauração e bebidas e do alojamento turístico registaram 314 mil postos de trabalho, representando uma variação homóloga positiva de 9,6% (+27.400 postos de trabalho que no mesmo período de 2016).

A propósito dos dados divulgados esta quinta-feira pelo INE, Mário Pereira Gonçalves, presidente da AHRESP, afirma-se convicto que “esta tendência positiva da confiança instalada nas nossas empresas e nos nossos clientes se vai manter nos próximos anos, com o Turismo a ser o motor da nossa economia”.

O responsável, que deixa alertas relativamente a constrangimentos que afectam a actividade, deixa um claro elogio aos empresários do sector, pela sua resiliência: “Os constrangimentos que nos vão surgindo, sejam em matéria de legislação laboral e do próprio mercado de trabalho, sejam na agenda do investimento e da recapitalização das empresas, sejam nos custos de contexto, com novas ameaças quase permanentes, desde a problemática da protecção de dados à sustentabilidade ambiental, sabemos resistir e reforçar a nossa competitividade internacional. Somos o melhor destino turístico do mundo, temos o melhor Chefe de Cozinha do mundo, lançámos a Rede de Restaurantes Portugueses no mundo/Taste Portugal, ou seja, temos ovos, vamos fazer omeletas”, assegura.