Reunião anual da INSTO tratou de como medir o impacto do turismo

A Organização Mundial do Turismo reuniu observatórios de todo o mundo de modo a discutir os avanços da monitorização da sustentabilidade do turismo a nível local. A reunião da INSTO – Rede Internacional de Observatórios de Turismo Sustentável decorreu na passada semana na sede da OMT, em Madrid.

A medida dos impactos do turismo ao nível do destino tem sido uma área de destaque no âmbito do Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento, em 2017. Assim, o evento iniciou com o trocar de ideias e experiências entre os membros da INSTO e destinos interessados. Os dois dias que se seguiram continuaram a visar o partilhar de experiências relativas ao acompanhamento regular dos impactos do turismo, às oportunidades da análise geoespacial para a medição de turismo, à importância de promover áreas catalíticas e à economia circular no turismo.

Para além destas temáticas, os participantes partilharam informações sobre as diferentes estruturas operacionais e técnicas dos sistemas de monitorização dos destinos, a análise geoespacial e oportunidades que advêm da localização inteligente para análises de tendências mais precisas e oportunas, as abordagens participativas e satisfação da comunidade local, os cuidados e ligações entre esforços de monitorização locais e objectivos globais de desenvolvimento, bem como o consumo partilhado e cadeias de valor interligadas e o papel dos modelos de negócio circulares no melhorar da gestão de recursos no turismo.

“A INSTO é uma das contribuições da comunidade do turismo que expressa o compromisso com a causa global do turismo sustentável, que orientará o desenvolvimento do sector nos próximos anos”, afirmava Taleb Rifai, secretário-geral da OMT, no encerramento do evento. A OMT promove a medição do turismo, através de indicadores do turismo sustentável, desde a década de 90 do século passado. A INSTO foi criada em 2004, com o objectivo de apoiar os destinos para que aprendam em conjunto e avancem no acompanhamento dos impactos do turismo a nível dos destinos. Uma rede que, em Dezembro de 2017, inclui 21 Observatórios de todo o mundo.