RTA rejeita exploração de petróleo no Algarve

A RTA manifesta a sua rejeição e “profundo descontentamento” com a decisão de autorizar a prospecção e exploração de hidrocarbonetos ao largo de Aljezur a um consórcio integrado pela ENI/GALP.

Desidério Silva, presidente da Região de Turismo do Algarve, afirma que tal “afecta gravemente o futuro do turismo […] numa região que se afirma cada vez mais ao nível do Turismo de Natureza”, acrescentando que “a decisão de autorizar a prospecção de hidrocarbonetos é claramente um atentado à marca Algarve e ao seu valor para a economia do país”.

O sector do turismo é o principal exportador de bens e serviços da economia portuguesa, sendo que as receitas geradas pelo Algarve são responsáveis por cerca de 50% do total. É este activo que a RTA alerta estar em perigo, atestando que tudo fará para que não seja destruído, acreditando que a decisão tomada pode ser revogada. O Algarve pretende continuar a ser um destino natural que prima pela segurança, qualidade das infra-estruturas e oferta, respondendo de forma cabal àquilo que são as principais motivações dos turistas o visitam.