SET defendeu excelência e importância do turismo nacional na OMT

O secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, participou na 20.ª Assembleia-Geral da Organização Mundial do Turismo (OMT), que terminou quinta-feira em Victoria Falls, na Zâmbia e Zimbabué, onde realizou uma apresentação sobre o sector turístico nacional, afirmando que Portugal reconhece o turismo como “um dos seus principais e mais dinâmicos sectores económicos”. “Muitos dos representantes ali presentes [na assembleia-geral da OMT] consideravam que os seus países ainda não reconheciam o turismo como uma área prioritária, que o turismo ainda não se tinha conseguido impor como área económica de excelência. Em Portugal (?) essa relativa complacência já desapareceu. Em matéria de vistos e transporte aéreo, os dois principais temas em debate, procurei transmitir as vantagens de o turismo ter um papel relevante na definição das políticas?, afirmou o responsável à Lusa. Mesquita Nunes lembrou que, em Portugal, o turismo representa 10% do Produto Interno Bruto (PIB) e 8% do emprego, encontrando-se entre os principais sectores económicos, estando também ?entre os melhores? a nível mundial, como prova o facto de o número de turistas, de dormidas e receitas estarem a ?crescer significativamente?. O governante referiu-se ainda aos benefícios que Portugal está a obter devido aos problemas no Médio Oriente e Norte de África, considerando que ?Portugal tem estado a aproveitar tão bem ou melhor do que Espanha o desvio de turistas causado pelos problemas no Médio Oriente”, ao contrário do que se verificou na primeira fase da Primavera Árabe, em que “Portugal cresceu muito menos do que Espanha”. “Esse mérito é todo das empresas do sector do turismo. A minha tarefa é assegurar-me de que tudo estou a fazer para lhes descomplicar a vida nessa tarefa de captação e fidelização de turistas”, afirmou Mesquita Nunes. O responsável pela pasta do turismo comentou ainda o facto de Portugal ter sido eleito para a vice-presidência da Comissão Regional para a Europa da OMT, considerando que esta eleição “contribui para a centralidade de Portugal” na área do turismo e é o reconhecimento do país como “actor principal” no mercado internacional. I.M.