SET quer jovens profissionais do turismo a exigirem melhores condições

Na abertura da 3ª edição da Bolsa de Empregabilidade que decorreu nos dias 2 e 3 de Março no âmbito da BTL, a secretária de Estado do Turismo desafiou os jovens que procuram emprego no turismo a exigirem das empresas melhores condições e maior valorização profissional.

  

Aos presentes na Bolsa de Empregabilidade, Ana Mendes Godinho foi dizer que o maior desafio que se coloca hoje ao turismo em Portugal é o de “encontrar recursos humanos qualificados”. Um desafio que decorre do crescimento turístico do país, onde “desde Dezembro de 2015 temos mais cerca de 57 mil pessoas a trabalharem no turismo”.

Há assim que captar cada vez mais jovens para aquela que considerou ser “a melhor profissão do mundo”, o que só se consegue, como tantas vezes tem sido referido, através da valorização das carreiras do turismo. “O grande desafio é conseguirmos cada vez mais, também, demonstrar a quem está aqui à procura das ofertas [de emprego], e demonstrar por actos, que o turismo é a melhor profissão no mundo e que quem vier trabalhar para o turismo vai trabalhar na melhor coisa que existe no mundo e principalmente em Portugal”.

Ganhar os jovens para o turismo passa também por valorizar as suas carreiras, por isso Ana Mendes Godinho desafiou os jovens a exigirem, eles próprios, melhores condições: “Venham trabalhar para o turismo mas exijam, exijam de quem vos dá as condições para garantir que são valorizados porque essas pessoas sem vocês não são nada”, afirmou.

Ao todo, a Bolsa de Empregabilidade, organizada pelo Fórum Turismo 2.1, contou este ano com 60 empresas e 10.000 ofertas de trabalho em várias áreas do sector do turismo. Os números espelham uma forte evolução face à primeira edição, quando esta Bolsa contou com 20 empresas e 600 ofertas de emprego.

Assumindo que a “componente do emprego e dos recursos humanos numa feira de turismo é absolutamente fundamental”, o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, deixou um apelo aos empresários do sector para que “para o ano estejam presentes ainda mais empresas porque esta é a melhor oportunidade que têm para angariarem os melhores nesta indústria”. Já aos jovens, recomendou que apostem no “melhor contrato de trabalho” mas que “não se esqueçam que quanto mais formação tiverem melhores contrapartidas podem tirar”.