SET: “Temos de fazer o trabalho de casa e preparar a nova década”

Não baixar os braços, atentar nos muitos desafios que se colocam ao turismo em Portugal, responder-lhes de forma positiva de forma a “preparar a nova década” foi a «receita» deixada esta sexta-feira, 20 de Maio, na reunião plenária da Assembleia da República pela secretária de Estado do Turismo.

Ana Mendes Godinho falava na Assembleia da República no âmbito do debate e votação de um diploma apresentado pelo PSD em que este partido recomendava ao Governo a adopção de medidas para a dinamização do sector e que viria a ser chumbado pela esquerda.

Numa intervenção em que focou os bons resultados do turismo em Portugal e deixou claros os muitos desafios que se colocam a esta actividade económica, Ana Mendes Godinho declarou que “a afirmação de Portugal como destino turístico no contexto internacional é um processo que não volta para trás e continuará a crescer”, sublinhando no entanto que “os desafios são grandes” e há que “conseguir que o turismo acrescente mais valor”, “crie mais riqueza” e “contribua para a coesão territorial e para atenuar as assimetrias regionais”.

“Aumentar o valor da oferta”, “desconcentrar a procura geograficamente”, “desconcentrar a procura ao longo do ano e atenuar o efeito da sazonalidade” foram os grandes desafios destacados pela governante para que o turismo em Portugal seja “uma actividade sustentável”.

A governante deixou claras duas grandes preocupações, nomeadamente, o combate à sazonalidade e a dinamização turística do interior, avançando que neste caso o governo está a trabalhar no “desenvolvimento de projectos turísticos âncora bem como na promoção de rotas e aposta em produtos turísticos diferenciadores”.

A simplificação de procedimentos, com o Simplex+ e a discussão pública sobre a Estratégia para o Turismo para a década que o governo está a lançar e para a qual pediu o contributo de todos, foram também realçados numa intervenção em que Ana Mendes Godinho deixou um balanço do que o actual executivo fez em seis meses na dinamização do investimento, combate à sazonalidade, promoção das acessibilidades aéreas, captação de grandes eventos, aposta nos recursos humanos ou na restauração, com a baixa do IVA.