Solférias e Exoticoonline: Vendas para o Brasil continuam a crescer apesar da concorrência das Caraíbas

Os operadores turísticos Solférias e Exoticoonline reconhecem que apesar da concorrência das Caraíbas em termos de preços, no Verão, as vendas para o Brasil continuam a crescer a bom ritmo no mercado português. 

Por outro lado, Sónia Regateiro, directora comercial da Solférias, e Miguel Ferreira, director-geral da Exoticoonline, que falavam aos jornalistas esta quinta-feira, na sessão em Lisboa do roadshow sobre o destino Brasil, referiram que continuam a apostar e a investir no destino sem qualquer apoio das entidades brasileiras de turismo, nomeadamente da Embratur.

A quinta edição do roadshow ‘Sol e Férias num Brasil Exótico’, promovido em conjunto pelos dois operadores, em parceria com a TAP, e que termina em Vilamoura (45 inscritos), teve início segunda-feira passada no Funchal com a presença de 68 agentes de viagens, passou por Coimbra (110 participantes), pelo Porto (308 agentes de viagens), e por Lisboa (320 presenças). No total deverão ter passado pelo evento, que conta também como acção de formação, um total de 850 agentes de viagens, ou seja mais 156 participantes do que na edição anterior.

Esta adesão cada vez maior dos agentes de viagens, mas também dos fornecedores, levam a Solférias e a Exoticoonline a acreditar no destino, continuando a investir mesmo em tempo de crise no Brasil.

Este investimento traduz-se nas vendas, já que a Exoticoonline prevê transportar este ano um total de três mil turistas portugueses para o Brasil, enquanto a Solférias, deverá chegar aos 4000/4500 passageiros, destino que se encontra no top4 do operador.

Miguel Ferreira evidenciou o crescimento sustentado do destino principalmente na considerada época baixa em Portugal, enquanto no Verão tende a cair já que aprecem destinos de sol e praia a preços mais competitivos. Já Sónia Regateiro diz mesmo que “é um feito quase histórico, porque andámos a concorrer com um produto de Caraíbas que já não havia há muitos anos no mercado. As operações charter para as Caraíbas tiveram início este ano mais cedo com ofertas a 800 euros e em regime do tudo incluído, enquanto para o Brasil não podemos praticar esses preços”.