Soltrópico leva perto de 150 agentes de viagens a experienciar a Madeira

O operador turístico Soltrópico levou mais de uma centena de agentes de viagens à Ilha da Madeira, numa macro fam trip que deu a conhecer alguns dos mais emblemáticos traços da ilha ao longo de dois dias.

Segundo Fernando Bandrés, director de operações da Soltrópico, o evento teve como principal objectivo “agradecer o esforço dos agentes de viagens em relação à Soltrópico no Verão”, levando-os a um destino que “para nós é muito importante”. O grupo, que contou com mais de 100 agentes de viagens, representantes da Soltrópico, fornecedores do operador turístico e jornalistas, dividiu-se em quatro subgrupos que vivenciaram, em momentos diferentes, as experiências mais marcantes da ilha.

O programa dividiu-se num passeio pela Levada do Castelejo, na zona do Porto da Cruz no norte da ilha, pela observação de cetáceos a bordo de um catamarã, em que se avistou um grupo de baleias-piloto, e pelo par que se faz na subida de teleférico do Funchal até ao Monte e subsequente descida nos típicos carros de cesto, que apenas aqui existem. A viagem foi completa com a passagem por alguns dos mais conhecidos restaurantes da Madeira, com direito a um almoço típico n’O Lagar, onde foi servida a tradicional espetada madeirense, bolo do caco, carne de vinha-d’alhos, filetes de espada e poncha.

Na noite de sábado, dia 21 de Outubro, antes de regressar ao Vila Galé Santa Cruz onde foi feito o alojamento, foi organizado um evento no Forte de São Tiago, no Funchal, onde os fornecedores dos principais destinos da Soltrópico apresentaram o seu produtos aos agentes de viagens, relativo também à passagem de ano. Para Bandrés, “não podíamos deixar passar a oportunidade de ter quase 150 agentes de viagens concentrados, para apresentar a nossa programação de réveillon, que é o foco das vendas neste momento”. Após jantar, a cerimónia terminou com uma recriação do espectáculo pirotécnico da passagem de ano madeirense.

Relativamente à Madeira, o director de operações da Soltrópico, atesta que “estamos a manter a produção que tínhamos o ano passado” e que “o destino tem dois desafios pela frente”, por um lado o de se reinventar junto do turismo nacional e por outro a necessidade de “acrescentar valor ao produto para que o cliente não faça o pacote por sua conta e procure também a programação dos operadores turísticos”.

O primeiro desafio está aos poucos a ser ultrapassado, com a ajuda da campanha “Experiências” lançada pelo Turismo da Madeira este ano, experiências como as vividas nesta viagem que mostram aspectos da ilha menos conhecidos. Esta aposta foi uma “experiência ganha”, com a observação de cetáceos a ser a mais procurada pelos visitantes à Madeira e ao Porto Santo no Verão 2017.

Fernando Bandrés quer, para o ano, dar continuidade a este turismo de experiências, oferecendo em cada pacote turístico o usufruto de uma delas. Para 2018 esperam-se novidades, dependendo do rumo que quiser dar à campanha o Turismo da Madeira. “Queremos dar continuidade, até porque muitos dos agentes de viagens que estão agora a vivenciar estas experiências vão ser os melhores embaixadores para o próximo ano”, conclui.