TAP é a 7.ª companhia aérea mais segura do mundo

A TAP foi considerada a 7.ª companhia aérea mais segura do mundo pela Jet Airliner Crash Data Evaluation Center (JACDEC), numa lista que aponta as 60 transportadoras aéreas mais seguras e que é liderada pela Finnair, a única companhia europeia que surge classificada à frente da TAP. Apesar de se manter no Top10 das companhias mais seguras, a TAP desceu três posições face à anterior edição da lista, uma descida que a companhia e a própria JACDEC explicam pela idade da frota da companhia. “A TAP baixou duas posições no ranking em relação ao ano anterior apenas devido ao envelhecimento, em um ano, da idade média da sua frota, à qual não foi adicionada nenhuma aeronave nova em 2012”, justifica a TAP em comunicado. Com esta descida, a TAP foi ultrapassada pela Emirates, Ethiad e Eva Air, que renovaram recentemente as suas frotas de aviões, subindo assim no ranking, de acordo com informação avançada pela Lusa. Depois da Finnair, que foi considerada a companhia aérea mais segura do mundo, surgem a Air New Zealand e a Cathay Pacific nas segunda e terceira posições, respectivamente, enquanto as grandes companhias europeias, como a British Airways ou a Lufthansa surgem apenas na 10.ª e 11.ª posições, respectivamente. Bem classificadas aparecem as companhias europeias low cost, como a a Virgin Atlantic que ficou na 15.ª posição, a easyJet na 17.ª e a Air Belin na 23.ª posição, acima das companhias de bandeira da Europa, como a KLM, que ficou apenas na 27.ª posição, a Air France, classificada em 41.º lugar ou ainda a Iberia, que surge no 47.º posto. No fim da lista surgem ainda as companhias aéreas brasileiras Gol e TAM, que não foram além do 57.º e 59.º postos, respectivamente, sendo preciso recordar que, há três anos, a TAM perdeu uma aeronave num acidente em que morreram 199 pessoas, o mais grave da história da companhia. Já o último lugar da lista da JACDEC foi entregue à China Airlines, companhia aérea de Taiwan, que desde 1983 registou oito perdas de aviões, num total de 755 vítimas. O relatório refere também que 2012 ficou marcado pelo ano em que houve menos acidentes desde que é contabilizada esta listagem (1983), com menos de 500 pessoas mortas em acidentes de aviação relativamente a 2011. I.M.