TPNP diz que ?botões de pânico? pretendem reforçar segurança de proximidade

O Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) veio ontem esclarecer, após um comunicado da Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APORT), que os ?botões de pânico? pretendem ?reforçar a segurança de proximidade?, pelo que são apenas ?mais um canal para o número nacional de assistência 112?. Começando por considerar que ?a região Norte é um território seguro?, o TPNP considera, no entanto, que ?não basta dizer que o somos, é necessário ter todo um conjunto de serviços que ajudem a que essa realidade e esse sentimento seja percepcionado pelos turistas?, motivo pelo qual decidiu lançar o projecto ?botões de pânico?. No esclarecimento enviado ontem à comunicação social, o TPNP lembra que o projecto foi desenvolvido ?com o Ministério da Administração Interna?, tratando-se de um serviço que ?não acarreta nenhum custo para os utentes, os contribuintes ou para as organizações?, sendo a sua implementação ?parte do projecto da rede de lojas interactivas de turismo?. ?A segurança é uma mais-valia da nossa região e esta reafirma-se ao implementar mais e melhores serviços ao dispor dos turistas?, reafirma o TPNP na mesma informação à imprensa. Recorde-se que o TPNP anunciou, em Junho, que ia implementar no exterior das 53 suas lojas e postos de turismo um ?botão de pânico? com o objectivo de reforçar a segurança para turistas nacionais e estrangeiros, tendo o sistema sido apresentado pouco tempo depois, na loja do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, com a presença do secretário de Estado da Administração Interna. I.M.