TPNP diz que PENT é “exequível” mas quer maior relevo para produtos estratégicos

O Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) considera que a proposta de revisão do Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) apresenta “uma melhoria substancial quando comparada com a primeira versão”, isto apesar de não estar “totalmente satisfeito” com a proposta, uma vez que não confere o “merecido relevo” a produtos estratégicos como o Turismo Religioso. “O TPNP considera a actual proposta de revisão uma melhoria substancial quando comparada com a primeira versão, embora não se considere totalmente satisfeito. De todo o modo, a actual versão parece, ao TPNP, perfeitamente exequível e em conformidade com a realidade actual”, refere a entidade regional de turismo em comunicado. De acordo com o TPNP, o Turismo Religioso, a Gastronomia e Vinhos, o Turismo de Natureza e o Turismo Cinegético são alguns dos principais produtos estratégicos para a região Norte e para o turismo nacional a que o PENT deveria dar maior destaque. No âmbito da Gastronomia e Vinhos, o TPNP diz que este é um produto “absolutamente prioritário” para a região Norte, que não pode “situar-se no nível de produto complementar”, até porque a entidade se encontra a preparar a candidatura da gastronomia da região Norte a Património Imaterial da UNESCO. ““Gastronomia e Vinhos” é um produto de irrepreensível valor e interesse, a merecer um carinho muito especial, devendo naturalmente ser considerado como estratégico para a promoção, tanto junto do mercado nacional, como internacional”, diz o TPNP. Maior relevo é também o que pede a entidade para o Turismo Religioso que, diz o TPNP, “é estratégico e tem contribuído para a crescente visibilidade e notoriedade do destino”, merecendo maior atenção “face aos números que envolvem esta motivação”. “No que se refere ao “Turismo Religioso”, entendemos que este é um produto ao qual deverá ser dado o merecido relevo, não diluindo a sua importância através de uma estratégia que o situa num plano muito pouco dignificante”, lê-se na mesma informação. Mas o TPNP quer também um maior destaque para o Turismo de Natureza, um produto que oferece uma grande “variedade de actividades, que não podem ser condicionadas pela segmentação prevista no documento em análise”, diz o TPNP. E é dentro do Turismo de Natureza que o TPNP defende a inclusão do Turismo Cinegético, “um interessante nicho de mercado, com uma importância relevante em termos nacionais”, que, segundo a entidade, pode contribuir para a “dinamização turística de áreas menos favorecidas”. As propostas e recomendações do TPNP foram entregues à tutela, visando contribuir para a “boa execução do PENT para o biénio 2013-2015, num momento em que é importante trabalhar com base na igualdade de oportunidades e apostando no reforço da oportunidade de um desenvolvimento sustentável e de uma maior diferenciação”, conclui a entidade. I.M.