Turismo de Portugal nega acusações da Ryanair

A propósito de um comunicado ontem difundido pela low cost Ryanair em que esta companhia acusava o Turismo de Portugal de ter rejeitado um plano de crescimento para o Aeroporto de Faro, baseado na criação de novas rotas e que levaria à região algarvia mais 70 mil passageiros durante Inverno, o Turismo de Portugal emitiu um comunicado em que rejeita as acusações e esclarece a situação. Leia o comunicado na íntegra. Comunicado do Turismo de Portugal ?1. Não é verdade que o Turismo de Portugal tenha rejeitado um plano de expansão para o aeroporto de Faro, matéria para a qual não teria sequer competência. 2. Não é verdade que o Turismo de Portugal tenha impedido a Ryanair de aumentar o seu número de voos ou rotas para o Algarve, decisão empresarial na qual o Turismo de Portugal não tem de ter qualquer interferência. 3. O Turismo de Portugal rejeitou, isso sim, pagar à Ryanair os valores que esta empresa exigiu para reforçar a sua operação para o Algarve. 4. Os valores pedidos pela Ryanair não eram proporcionais. 5. A Ryanair já beneficiou de vários apoios públicos para as suas operações em Portugal, nomeadamente para a fixação e desenvolvimento da sua base operacional do Algarve. No entanto, a quase totalidade dos voos contratados com a Ryanair para a importante época de Inverno foram por esta cancelados, apesar dos incentivos negociados. Ou seja, a Ryanair já tinha, no passado, proposto a criação de novas rotas e voos para o Algarve, na época de Inverno, que depois cancelou apesar dos apoios que estavam disponíveis. 6. O Turismo de Portugal está empenhado em combater a sazonalidade no Algarve, como o comprova o plano de combate à sazonalidade recentemente apresentado e que mereceu os comentários positivos do sector do turismo. No entanto, esse combate deve ser feito através da uma correcta e adequada gestão dos fundos públicos, o alinhamento com uma estratégia de reequilíbrio entre todo o tipo de operações e uma correcta articulação com os agentes privados do sector. 7. O Turismo de Portugal continuará a ponderar com os vários parceiros do sector todas as oportunidades que permitam aumentar, de forma sustentável, os fluxos turísticos para o país, bem como apoiar o esforço de comercialização do destino desenvolvido pelos empresários.?