Turismo de Macau reuniu parceiros no Jantar da Primavera

Como já faz parte da tradição, o Turismo a Delegação dos Serviços de Turismo de Macau em Portugal voltou a reunir parceiros e amigos para celebrar o Ano Novo Chinês, e foram cerca de seis dezenas os que estiveram presentes para celebrar e que tiveram a oportunidade de fazer uma viagem pelos sabores da gastronomia chinesa.

 

Ao quinto dia do Novo Ano Chinês (terça-feira, 20 de Fevereiro segundo o nosso calendário), o Turismo de Macau juntou amigos e parceiros no seu já tradicional Jantar da Primavera. Presentes estiveram representantes de operadores turísticos, agências de viagens, companhias de aviação e comunicação social do trade.

Entre apontamentos de vermelho – segundo os chineses é com vermelho que se deve celebrar um novo ano para espantar maus espíritos – celebrou-se o Ano do Cão que, dizem, é o da Amizade e da Fortuna. E porque, como frisou Rodolfo Faustino, director da Delegação de Turismo e Macau, “2018 vai ser um ano que Macau vai dedicar à gastronomia”, foi com uma viagem dos sabores da gastronomia chinesa que se celebrou, num restaurante – The Old House – que este na foi galardoado com “1 Garfo” no concurso Lisboa à Prova.

O enfoque de Macau na gastronomia vai sentir-se nas acções de promoção turística desta Região Administrativa Especial da China, pois como lembrou Rodolfo Faustino, no final de 2017 Macau passou a fazer parte da Rede das Cidades Criativas da UNESCO na área da Gastronomia, o que, de forma clara, reforça o papel da gastronomia na preservação da sua identidade cultural.

Com a entrada de Macau nesta rede, abrem-se ao território novas oportunidades para a diversificação da sua economia, com a gastronomia a assumir um papel de força condutora para a preservação da identidade cultural de Macau, promovendo ao mesmo tempo um desenvolvimento sustentável e expandindo a cooperação internacional. Neste sentido, foi realizado um vídeo promocional, que foi apresentado durante o jantar, sobre a gastronomia macaense em que não faltam referências às raízes portuguesas nem ao pastel de nata que tanto se vende no território.

A gastronomia pode muito bem ser um dos motivos que leve mais portugueses a Macau, como Rodolfo Faustino tanto deseja. O território bateu o ano passado o recorde de visitantes, tendo atingido os 32 milhões “um número excepcional para um território tão pequeno”, como sublinhou o responsável. O número de portugueses também subiu, situando-se agora nos 16 mil.

O director da Delegação dos Serviços de Turismo de Macau em Portugal espera melhores resultados este ano, assentes não apenas na própria atractividade de Macau como na visibilidade proporcionada ao território com a realização do Congresso da APAVT em Macau, em Novembro último. E também porque “Macau merece” e sempre recebe os portugueses de braços abertos como afirma Rodolfo Faustino.