Turismo no Algarve bate todos os recordes em 2017

Com um total de 19 milhões de dormidas (+5,3% ou 963 mil dormidas a mais do que em 2016), 1.028 milhões de euros de proveitos totais (+13,2% ou 119,7 milhões de euros a mais) e 4,1 milhões de hóspedes (+5,1% ou mais 200 mil hóspedes), o turismo no Algarve registou novos recordes anuais.

Ao comentar estes resultados, o presidente da Região de Turismo sublinha a “excelente performance da hotelaria do Algarve ao longo dos últimos cinco anos, dando um passo gigante dos 14 milhões para os 19 milhões de dormidas e dos 600 milhões para mais de mil milhões de euros de proveitos”.

Segundo Desidério Silva, “crescimento sustentado do sector fora da época alta do Verão”, deve-se à “aposta diversificada no turismo de natureza, na cultura e na gastronomia e vinhos, além dos campos de golfe internacionalmente premiados e do principal atractivo turístico da região, as melhores praias da Europa”.

Na região, segundo dados preliminares da actividade turística referentes a 2017 publicados pelo INE, o mercado interno contribuiu com 4 milhões de dormidas (+3,7% ou um aumento de 142 mil dormidas) e os mercados externos com 15 milhões de pernoitas (+5,8% ou um acréscimo de 821 mil dormidas). Com 1.028 milhões de euros de proveitos totais, os estabelecimentos hoteleiros do Algarve asseguraram uma quota de 30,3%, enquanto os proveitos de aposento ascenderam aos 762 milhões de euros (+14,2%).

Por outro lado, o Aeroporto Internacional de Faro fechou o ano de 2017 com 8,7 milhões de passageiros movimentados. Este volume compara com os 7,6 milhões de passageiros do ano anterior, resultando numa variação homóloga de 14,4% ou cerca de 1,1 milhões de passageiros a mais do que em 2016. Por mercado, o Reino Unido (+11,1%) representou metade dos passageiros movimentados, seguido da Alemanha (+21,8%), como uma quota de 12,3 por cento. Irlanda (+6,5%), Holanda (+10,2%) e França (+39,7%) fecham o top-5.

Igualmente, os campos de golfe algarvios voltaram a bater recordes em 2017, ao registarem 1.340.891 voltas, uma subida de 5% face ao ano anterior. O mês de Outubro foi o preferido dos golfistas, acumulando um máximo histórico de 170 mil voltas (+6%), valendo, assim, cerca de 70% do total nacional de voltas de golfe.