“Turismo” pode ser Palavra do Ano 2016

A palavra “Turismo” é uma das 10 candidatas a “Palavra do Ano 2016”, uma iniciativa da Porto Editora que vai já na 8ª edição. A votação decorre online até ao último minuto de 31 de Dezembro em http://www.palavradoano.pt e a palavra vencedora será conhecida na primeira semana de Janeiro de 2017, em cerimónia pública.

“Os excelentes resultados da indústria do turismo têm um impacto positivo na economia do país, mas esta realidade abriu o debate em termos de sustentabilidade e qualidade de vida nas grandes cidades”. É desta forma que a Porto Editora justifica a escolha da palavra “Turismo” para figurar entre as 10 finalistas de 2016.

Além de “Turismo”, a lista da Porto Editora inclui as palavras:

Brexit” – associada à saída do Reino Unido da União Europeia;

Campeão” porque pela primeira vez Portugal foi Campeão da Europa de Futebol;

Empoderamento” – termo associado a um maior controlo sobre a própria vida através da conquista de direitos civis, independência ou equidade de géneros;

Gerigonça” – termo utilizado por Paulo Portas para referir a formação do governo liderado por António Costa  e que passou a ser usado para designar a maioria de esquerda no parlamento;

Humanista” – adjectivo mais utilizado para definir António Guterres durante o processo de selecção que o levou a secretário-geral da ONU;

Microcefalia” – termo relativo à pandemia registada em alguns Estados sul-americanos, principalmente no Brasil;

Parentalidade” – palavra relacionada com as actividades desenvolvidas pelos educadores com vista a um melhor desenvolvimento das crianças;

Presidente” – termo que entrou na “moda” desde a eleição de Marcelo Rebelo de Sousa como Presidente da República;

Racismo” – porque, segundo a Porto Editora, “de forma preocupantemente crescente, têm-se multiplicado atitudes e manifestações de racismo um pouco por todo o mundo, com particular incidência na Europa, mas também nos Estados Unidos”

A votação para “Palavra do Ano” está aberta em http://www.palavradoano.pt e, de acordo com a Porto Editora, o ano passado registou-se uma participação superior a 20.000 cibernautas.

Recorde-se que as palavras eleitas nas edições anteriores foram “esmiuçar” (2009), “vuvuzela” (2010), “austeridade” (2011), “entroikado” (2012), “bombeiro” (2013), “corrupção” (2014) e “refugiado” (2015).