Vinci investe este ano 72 milhões de euros nos aeroportos portugueses

O Grupo Vinci, dona da ANA Aeroportos, vai investir este ano 71,8 milhões de euros em infra-estruturas aeroportuárias portuguesas, dos quais quase 31 milhões de euros serão no Aeroporto de Lisboa.

No total do investimento não constam os 2,6 milhões de euros que serão gastos no Terminal2 do Aeroporto de Lisboa, com reformulação e aumento da capacidade do controlo de segurança de passageiros e aumento da área de embarque e da capacidade das áreas de pré-embarque.

O anúncio foi feito na cerimónia de apresentação dos resultados do tráfego verificados nos aeroportos geridos pela ANA durante o ano de 2015.

Estes novos investimentos, segundo o presidente da ANA, Ponces Leão visam a resolução de estrangulamentos para obter ganhos de capacidade e qualidade imediatos, adequação da capacidade às características da procura e necessidades das companhias aéreas e estudo de soluções estruturais para aumento de capacidade futura. Só no ano passado foram abertas 25 novas rotas.

Os investimentos anunciados esta quinta-feira compreendem também os aeroportos de Faro (24,7 milhões), de Ponta Delgada (5,9 milhões), do Funchal (4 milhões de euros) e do Porto (3,9 milhões).

2015 foi um ano de recordes para toda a rede de aeroportos portugueses, que atingiram um total de 38,9 milhões de passageiros, um aumento de 11% face a 2014.

O Aeroporto de Lisboa ultrapassou os 20 milhões de passageiros, ou seja, uma subida de 10,7% face ao ano anterior. Nos últimos três anos o aeroporto da capital cresceu 4,8 milhões de passageiros, quando nos oitos anos anteriores o incremento tinha sido de 4,6 milhões.

O Aeroporto do Porto atingiu 8,1 milhões de passageiros, uma subida de 16,7%, ou seja 1,2 milhões de passageiros a mais que em 2014.

Em Faro, o crescimento foi de 6,4%, para os 6,4 milhões de passageiros, enquanto na Madeira se atingiu os 2,7 milhões de passageiros, mais 6,3% que no ano passado. A maior subida percentual foi registada nos aeroportos dos Açores, onde o crescimento foi de 25,7%, chegando a 1,6 milhões de passageiros.