Windavia: novo operador charter fez voo inaugural para Beja

Foi com o ?voo comercial mais curto da história de Portugal Continental?, entre Lisboa e Beja, que a Windavia, se estreou. Um voo de menos de 20 minutos, realizado a bordo do Airbus A320 ?Aristides Sousa Mendes? em que seguiam cerca de 180 convidados. Com a assinatura ?Fly like the wind?, a Windavia, o mais recente operador aéreo de charters, 100% português, escolheu apresentar-se em Beja, com o apoio do Turismo do Alentejo, para assinalar a primeira operação, contratada pela GPS Tour, entre França e o aeroporto alentejano. Uma operação que, como o Turisver.com já noticiou, terá um voo semanal entre Abril e Outubro de 2014, a partir de Paris e de vários aeroportos regionais franceses para Beja.?Vamos voar durante todo o verão para Beja, uma operação bastante ambiciosa para Tróia e o restante Alentejo, a partir de Paris e das principais cidades francesas?, disse Pedro Bollinger, CEO da Windavia, à margem da apresentação da empresa. Ao todo, o operador espera transportar ?mais de 10 mil passageiros de França para Beja? durante a operação a decorrer no Verão do próximo ano. A Windavia, que vai começar a operar com quatro aviões da White, já garantidos, vai ter bases em Paris, Lisboa e Funchal e espera transportar, em 2014, mais de 800 mil passageiros, distribuídos por mais de 4.000 voos já contratados neste momento com vários operadores nacionais e internacionais, segundo disse Bollinger, explicando que dos 4.000 voos ?1.000 a 1.200 são para o mercado português?, sendo ?uma parte destes em outgoing e outra parte em incoming?. Entre os operadores portugueses com os quais a Windavia tem já operações contratadas contam-se ?a Soltour, a vi@jar Tours, a Travelers e a egotravel, entre outros?. Quanto aos destinos contratados com os operadores portugueses, Pedro Bollinger não quis adiantar pormenores. O que se sabe já é que a Windavia vai realizar, ao longo de 2014, operações para destinos como Paris, Telavive, Palma de Maiorca, Dublin, Atenas, Fuerteventura, Chipre, Djerba e Montenegro. Todos destinos de médio curso, já que segundo o CEO da empresa ?não é nossa intenção voar para já em longo curso? uma vez que ?o que queremos, para já, é consolidar a nossa operação de médio curso?. A Windavia, que assume ter ?mais de 50 milhões de euros em contratos assinados?, também já tem acordos com os principais operadores israelitas e, a partir do início da época alta, começará a voar uma vez por semana entre Lisboa e Israel, aumentando o número de frequências semanais para duas ?no pico de Verão?, adiantou o responsável. M.F.