WTM: Portugal quer garantir que o mercado britânico se mantenha dinâmico e continue a crescer

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, confessou ao turisver.com que “tem havido um esforço redobrado junto do mercado britânico para contrariarmos eventuais efeitos negativos que a incerteza do Brexit poderia gerar”. No entanto, as expectativas para este Inverno são “muitíssimo boas”, com Portugal a crescer acima da média das previsões das viagens dos britânicos para o exterior neste período.

A ABTA divulgou as perspectivas globais de férias dos cidadãos do Reino Unido para o exterior este Inverno, que apontam para um crescimento de 17%, quando para Portugal são de um aumento de 21%, portanto “superior à média das estimativas para o exterior”. Para o Algarve, a previsão neste período e de uma subida de 30%.

Ana Mendes Godinho que visitou a World Travel Market (WTM) em Londres, durante dois dias, tendo mantido reuniões com diversos operadores turísticos e companhias aéreas do Reino Unido referiu que “sabemos que o britânico é o principal mercado para Portugal tanto em número de dormidas como de hóspedes, mas que também vive momentos de incerteza associados ao Brexit, portanto, temos feito um esforço em ter aqui acções muito dirigidas, nomeadamente a operadores, e temos acompanhado o mercado de perto para garantir que ele se mantenha dinâmico e continue a crescer”, lembrando que este ano várias regiões portuguesas acolhem congressos anuais de associações de agentes de viagens e operadores turísticos do Reino, realçando a realização esta semana no Algarve da reunião de 660 retalhistas da Thomas Cook.

Por outro lado, conforme referiu a secretária de Estado, Portugal já trouxe só no primeiro semestre deste ano cerca de 150 jornalistas ingleses, que deram origem a mais de 1500 notícias sobre o destino.

Todo esse trabalho tem dado “resultados positivos”, disse a governante, que aproveitou a WTM para apoiar as 78 empresas portuguesas, incluindo quatro startups e todas as agências regionais de promoção turística que estiveram presentes no evento “com uma participação muito forte e dinâmica”.

Ao nível das receitas, o mercado britânico está com um crescimento este ano na ordem dos 13,6%, quando em 2016 o aumento “já tinha sido bom”, situando-se nos 12,9%. Entretanto, de acordo com Ana Mendes Godinho, o mercado do Reino Unido, “mesmo com este crescimento, baixou no total nacional, porque outros mercado estão igualmente a crescer, como o Brasil, os Estados Unidos, a Alemanha e a França”.

Se há um ano atrás havia mais incerteza em relação àquele mercado e, por parte dos operadores turísticos uma falta de tranquilidade sobre a própria operação turística para o exterior, neste momento a secretária de Estado do Turismo sente que “há uma maior tranquilidade”, embora a eventual desvalorização da libra possa ter consequências nas viagens dos ingleses.

*Toda a reportagem da WTC na próxima edição da Revista Turisver