WTM: Turismo busca soluções globais para combater o terrorismo

Mais de 100 ministros do turismo de todo o mundo, altos responsáveis de empresas de viagens e líderes de organizações reuniram-se em cimeira durante a WTM em Londres e pediram a cooperação e a colaboração global para ajudar os destinos afectados pelo terrorismo e outras crises.

Organizada pela OMT, este fórum de alto nível evidenciou que nenhum país está imune ou 100% seguro e que este é um desafio global, ao mesmo tempo que foi realçado que a segurança é da responsabilidade dos governos, mas a indústria do turismo deve trabalhar em parceria com os estados nos bons e nos tempos difíceis.

Taleb Rifai, secretário-geral da Organização Mundial do Turismo descreveu o terrorismo como “forças das trevas”, para acrescentar que os destinos muitas vezes recuperam rapidamente de crises, como surtos de vírus ou desastres naturais, mas advertiu que o terrorismo “é muito diferente”.

Por seu turno David Scowsill, CEO da WTTC, disse que a indústria deve tranquilizar os consumidores quando um país faz um reforça a sua segurança, como é o caso do Egipto.”Não entendo porque é que o governo britânico continua a recusar as companhias aéreas a voar de volta para Sharm el Sheikh”, comentou acrescentando que os governos alemão e russo já levantaram as restrições para os resorts do Mar Vermelho.

Scowsill disse que é vital que os presidentes e primeiros-ministros entendam o valor do turismo na geração de empregos e impulsionador das economias.

Rifai indicou ainda, na sua intervenção que a OMT vai lançar um programa de formação online, no início do próximo ano, na esperança de treinar mais de um milhão de funcionários em viagens e turismo sobre as questões de segurança e de crises, como catástrofes naturais. “O objectivo é aumentar a consciência sobre a segurança, pois qualquer trabalhador da indústria das viagens deve estar atento e vigilante”.

A cimeira concluiu que turismo e segurança, bem como a necessidade de promover viagens seguras são questões fundamentais, até porque o “turismo rompe barreiras e não se pode permitir a sua estagnação ou diminuição.”