“2019 não será muito diferente de 2018”, perspectiva Gonçalo Rebelo de Almeida

Apesar do abrandamento de alguns mercados, Gonçalo Rebelo de Almeida, administrador do Grupo Vila Galé, não perspectiva grandes alterações para 2019, confessando-se “relativamente optimista”. Mesmo assim avança “alguma apreensão” quanto ao Algarve e à Madeira, bem como ao mercado britânico.

“É verdade que começámos a sentir em 2018 algum abrandamento em alguns mercados emissores e nas conversas que vamos tendo com os principais parceiros e distribuidores, nota-se efectivamente um abrandamento, mas se não acontecer nada de absolutamente estranho nos vários aspectos que podem influenciar a performance, “a expectativa é que 2019 não seja muito diferente de 2018”, disse Gonçalo Rebelo de Almeida, durante um encontro com a imprensa, esta quarta-feira.

Apesar disso, o administrador da Vila Galé não espera o mesmo tipo de performance em todos os destinos portugueses: “comportamentos mais positivos são esperados em Lisboa, na região Centro, no Norte e mesmo no Alentejo” mas existe “alguma apreensão maior quanto ao Algarve e à Madeira que são mais impactados pelo movimento de procura de outros destinos”. Não obstante, manifestou-se “relativamente optimista” relativamente a 2019, mas consciente que “não se prevêem os grandes crescimentos que aconteceram nos últimos anos”, algo que “já era expectável”.

Positivas são também as perspectivas para o mercado americano que “pode crescer novamente”, fruto do reforço da operação da TAP. Se assim for “vai ajudar a colmatar as quebras de outros mercados”.

A Vila Galé continua também a estar relativamente optimista no que toca ao comportamento do mercado interno, com o responsável a avançar que “do mercado português não esperamos grandes alterações”. “o maior receio”, confessou, “continua a ser o Reino Unido pelo impacto que o Brexit pode vir a ter”.

*Ler mais na próxima edição da revista Turisver