Ninguém quer o Hotel Turismo da Guarda?

A Direcção Geral do Tesouro e Finanças (DGTF) colocou à venda o antigo edifício do Hotel de Turismo da Guarda, pelo valor de 1,7 milhões de euros, através de um concurso público de arrendamento com opção de compra.  Esta é a segunda tentativa para vender ou alugar este ex-líbris da cidade da Guarda, pela sua arquitectura e localização, em pleno centro da cidade e perto da zona histórica. A primeira teve lugar em Abril, também pelo valor de 1,7 milhões de euros, mas que ficou deserta.

De acordo com o anúncio publicado na página da DGTF na internet, “o procedimento destina-se à celebração de contrato de arrendamento, com opção de compra, para fins não habitacionais, designadamente para a instalação de um empreendimento turístico hoteleiro, ocupando, para esse fim, mais de 50 % da área bruta de construção do imóvel”, cuja renda mensal será de 5.667 euros.

São seleccionados os candidatos que declarem “que exercem a actividade hoteleira e pretendem exercer a mesma no imóvel objecto de arrendamento”, ou seja em mais de 50% da área bruta de construção do imóvel, e que “dispõem de capacidade financeira para arrendar o imóvel”.

O arrendamento do edifício, que pertence ao Turismo de Portugal, “produz efeitos a partir do dia da assinatura do contrato e é celebrado pelo prazo de 30 anos, renovando-se automaticamente no seu termo, por sucessivos períodos de 15 anos, salvo se qualquer uma das partes se opuser à respectiva renovação de acordo com o estabelecido no presente caderno de encargos e nos termos previstos na lei”, é referido nos termos do concurso.

O edifício do Hotel Turismo da Guarda, localizado junto do actual edifício da Câmara Municipal e que foi a primeira unidade hoteleira da cidade – foi vendido em 2010, pela autarquia, então liderada pelo autarca socialista Joaquim Valente, ao Turismo de Portugal, por 3,5 milhões de euros, para ser recuperado e transformado em hotel de charme com escola de hotelaria, mas o projecto não saiu do papel e o imóvel está de portas fechadas e a degradar-se.

O edifício, que durante 68 foi o mais emblemático hotel da Guarda, conta com cinco pisos e jardim, onde se encontra instalada uma piscina, com a área total do terreno de 4410 m2, a área coberta de 2722 m2, a área descoberta de 1688 m2 e área bruta de construção de 11 363 m2.

O programa e o caderno de encargos podem ser consultados no sítio da internet www.turismodeportugal.pt ou solicitados na sua sede nos dias úteis, das 10h às 12h e das 14h 30m às 16h 30m (na Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa, telefone 211 140 200, fax 211 140 830, mail: info@turismodeportugal.pt . As candidaturas devem ser entregues até às 16:30 do dia 22 de Setembro, na sede do Turismo de Portugal, em Lisboa.

Caso seja exercida a opção de compra, o interessado poderá abater as percentagens de rendas pagas ao valor de compra do imóvel do seguinte modo: exercício da opção de compra até 4 anos – dedução de 70 %; exercício da opção de compra após o 4.º ano e até ao 7.º ano – dedução de 50 %; exercício da opção de compra após o 7.º ano e até ao 10.º ano – dedução de 25 %.

M.M.