45º Congresso APAVT: Recursos humanos são o maior desafio da legislatura, considera Rita Marques

Rita Marques-secretária de Estado no Turismo

Rita Marques teve esta quinta-feira, na abertura do 45º Congresso da APAVT, no Funchal, a sua primeira grande intervenção perante uma plateia de agentes do turismo. O local foi eleito para enumerar as principais áreas que vão requerer uma atenção particular da sua parte.

Referindo-se ao Turismo como “a economia das emoções” e referindo os “tempos extraordinários” que o sector está a viver em Portugal, a nova secretária de Estado do Turismo estabeleceu os quatro grandes desafios para a legislatura que agora inicia: infra-estruturas, oferta, investimento e recursos humanos.

A primeira área que enumerou e que disse constituir um dos primordiais desafios, foi a das infra-estruturas, não apenas no que se prende com a melhoria das existentes e a construção de novas, mas também no que toca a “capacitar os agentes que gerem estas infra-estruturas” bem como “os operadores que as utilizam”.

Falar de infra-estruturas é também falar de acessibilidades e, neste ponto, a governante colocou o foco no transporte aéreo e na necessidade de captação de novas e diversificadas rotas.

Aumentar a estada média é um dos objectivos que pretende alcançar e para isso, Rita Marques afirma que há um outro desafio a ultrapassar: a valorização da oferta, seja em termos da oferta de alojamento e cultural, seja ao nível da criação de novas centralidades turísticas, levando os turistas a visitar todo o país e não apenas as grandes cidades ou os centros mais turísticos. “Portugal tem muito para visitar, muito para ver”, afirmou enaltecendo exemplos de “ofertas diferenciadoras” como os projectos das Aldeias do Xisto ou da Rota do Românico. Lançou mesmo um desafio à plateia, ao dizer que produtos como estes “tem que ser ainda mais e melhor trabalhados pelos operadores que se encontram aqui”.

Capacidade de investimento foi o terceiro desafio enumerado, que aliou à necessidade de se proceder a “um alívio fiscal” como forma de “potenciar um maior investimento, também no turismo”.

Por último referiu-se aos Recursos Humanos como “o maior” dos desafios e, neste ponto, apesar de considerar que a qualidade destes é imprescindível, independentemente da faixa etária e da experiência, a quantidade também é importante, principalmente num momento em que Portugal está perto de receber 30 milhões de turistas Por isso afirmou que “temos de atrair jovens” para as profissões do turismo e também capacitar os que já trabalham no sector e os próprios empresários.

Porque estabeleceu os Recursos Humanos como o desafio maior e porque o turismo é feito por pessoas para pessoas e a arte de bem receber é fundamental, Rita Marques lançou um repto a todos os portugueses ao afirmar que “temos que ser 10 milhões [de portugueses] a receber os 30 milhões [de turistas] que nos visitam.

*Turisver.com no Funchal a convite da APAVT