ABTA considera “insensatas” declarações do ministro britânico dos Transportes

A Associação Britânica dos Agentes de Viagens (ABTA) classificou de “insensatas” as declarações proferidas sexta-feira, 17 de Abril, pelo ministro dos Transportes, Grant Shapps, que aconselhou os cidadãos a não marcarem férias de Verão no estrangeiro este ano.

“A curto prazo, em termos de conselhos de viagem sobre se devem marcar as férias, claramente as pessoas devem querer ver qual é a trajectória desta doença nas próximas semanas”, afirmou, numa entrevista à BBC Radio 4, onde, a título de aconselhamento aos britânicos, declarou peremptório: “Não vou reservar férias de Verão nesta altura”.

As declarações causaram já polémica e críticas, com a Associação Britânica dos Agentes de Viagens (ABTA), a qualificá-las de “insensatas” e potencialmente prejudiciais para a actividade turística. “Foi um comentário insensato e sem base em factos acerca do que sabemos hoje sobre o futuro da pandemia”, acusou o presidente executivo da ABTA, Mark Tanzer.

O responsável associativo considera mesmo que a declaração feita pelo governante “mostra total desconsideração pela indústria de viagens do Reino Unido, pelas centenas de milhares de pessoas que emprega e pelas dificuldades que está a enfrentar nesta crise actual”. Aproveitou também por apontar um dedo acusatório ao governo britânico, declarando que “seria melhor que o governo se concentrasse em tomar as medidas necessárias para apoiar o sector, em vez de prejudicar a confiança”.

O Reino Unido é o principal mercado emissor de turistas para Portugal, tendo representado 19,2% das dormidas de estrangeiros em 2019, tendo como destinos preferenciais o Algarve (63,4% das dormidas do mercado), a Madeira (18,5%) e a Área Metropolitana de Lisboa (10,8%).

Recorde-se que desde Março, quando os números de infectados pelo novo coronavírus começaram a aumentar, o Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico mantém um conselho por tempo indefinido contra “todas as viagens não essenciais em todo o mundo”.