Aeroporto de Beja acolhe maior avião de passageiros do mundo

O aeroporto de Beja vai ficar na história da aviação portuguesa, por ser a primeira infra-estrutura aeroportuária nacional a acolher um A380, considerado o maior avião de passageiros do mundo, desta feita, da Hi Fly. O executivo camarário, que se desloca esta terça-feira ao aeroporto para visitar o avião, que ficará ali parqueado durante alguns dias, considera que a aterragem da aeronave A 380 na infra-estrutura da cidade é demonstrativa das potencialidades da mesma.

O avião de dois andares da Hi Fly, que aterrou esta segunda-feira no aeroporto de Beja, a única infra-estrutura aeroportuária no país com capacidade para receber uma aeronave desta dimensão, tem uma capacidade para 471 passageiros distribuídos por três classes. No piso principal há espaço para 12 lugares de primeira classe e 311 de classe económica. Já o piso superior terá 60 lugares de classe executiva e 88 de económica.

“Esta aterragem, importante do ponto de vista simbólico e histórico para o aeroporto de Beja, é fruto, também, da excelente relação institucional, existente entre a Câmara Municipal de Beja e a Hi Fly, cimentada fortemente desde Outubro de 2017, e que se traduzirá em breve em investimentos da companhia no concelho, criando-se postos de trabalho especializados e aproveitando-se para fins industriais o Aeroporto de Beja”, indica nota da Câmara Municipal de Beja.

A Hi Fly dedica-se a wet lease e reforçou recentemente a frota com dois gigantes da Airbus, do modelo A380, tornando-se na quarta companhia europeia, depois da Lufthansa, Air France e British Arways, a incluir este modelo na sua frota, e 14ª a nível mundial.

O A380 de dois andares é o maior avião comercial a voar hoje, operando em algumas das rotas comerciais mais longas do mundo. Agora, no seu décimo primeiro ano de serviço comercial, a frota do A380 realiza mais de 300 voos comerciais por dia em mais de 120 rotas operadas por 14 companhias aéreas. A frota mundial do A380 transporta cerca de 4 milhões de passageiros todos os meses, descolando e aterrando a cada dois minutos.

Trata-se de uma parte essencial da solução para o crescimento sustentável, fazendo mais com menos: aliviando o congestionamento de tráfego em aeroportos movimentados, transportando mais passageiros com menos voos, de forma mais eficiente e com menor custo. Tem o menor custo operacional por assento de qualquer aeronave de grande porte concorrente. Em relação ao meio ambiente, as tecnologias pioneiras deste avião proporcionam níveis de ruído mais baixos do que qualquer outra grande aeronave. Oferece também a cabine mais confortável, silenciosa, eficiente e inovadora que permite às companhias aéreas gerar maior receita e reduzir a sua pegada ambiental em termos de ruído e emissões de CO2.