Algfuturo acentua incoerência entre reconhecimento e debilidades do Algarve

A União pelo Futuro do Algarve considera ser oportuna uma reflexão para se perceber e resolver a incoerência entre os reconhecimentos que a região tem recebido e os problemas estruturais que o Algarve enfrenta.

É que, a par de “uma forte notoriedade e confiança empresarial descritas, há estrangulamentos crónicos, nomeadamente ao nível da procura turística para o conjunto da oferta de camas instaladas abaixo do ponto crítico de rendibilidade empresarial e regional, sazonalidade crescente, baixos preços quarto/cama, problemas financeiros em várias empresas e desemprego”.

“Dentro da linha de acção estrutural e de médio e longo prazo que tem apresentado, a União pelo Futuro do Algave considera ser oportuno fazer uma reflexão e tirar ilações para se perceber e resolver a contradição referida entre o enorme potencial, reconhecimento dos méritos e fortes pilares para a promoção e os referidos problemas estruturais”, refere a AlgFuturo.

O que está em causa, de acordo com a associação regional, é a necessidade de uma coerência que permita a progressiva superação dos desequilíbrios do Algarve,”para garantir uma vitalidade sustentada do turismo algarvio e do conjunto da economia e sociedade”.

Para a Algfuturo, o balanço dos World Travel Awards foi de estrondoso sucesso para o Algarve, desde logo porque a região foi considerada o ” Melhor Destino de Praia da Europa”, uma distinção que soma a muitas outras já alcançadas, bem como o reconhecimento internacional aos empreendimentos turísticos da região, uma vez que foram galardoadas sete unidades hoteleiras.

Merecem também aplausos da associação a divulgação do Master Plan para o desenvolvimento do projecto de Vilamoura, com um investimento de um milhão de euros que, a par de outros, demonstram a confiança que a região merece.

Mesmo assim, na opinião da Algfuturo, “o Algarve necessita de uma promoção institucional no estrangeiro muito mais forte, para o conjunto da oferta e em particular dos muitos e bons produtos existentes além do sol, praia e golfe, estes os grandes pilares, de um plano de requalificação geral dos espaços públicos, englobando estradas, bermas, sinalética, espaços verdes, uma vez que o Algarve tem que ser uma permanente “sala” arrumada e alindada para receber e atrair cada vez mais turistas, bem como um maior número de ligações aéreas na época baixa e fim das portagens.