ANA já recebeu “manifestações de interesse” para operações no Montijo

A notícia foi avançada por Thierry Ligonnière, CEO da ANA – Aeroportos na Assembleia da República. Em audição na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, o responsável avançou que a empresa já recebeu “manifestações de interesse” por parte de várias companhias aéreas que querem ser “as primeiras” a operar no Montijo.

“No Montijo, enquanto aeroporto complementar [de Lisboa], haverá companhias aéreas a operar. Temos conversas e manifestações de interesse para serem os primeiros”, informou esta quinta-feira o CEO da ANA – Aeroportos, durante a audição na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, segundo informa a Agência Lusa.

Sobre a posição de companhias que já mostraram o seu desinteresse em voar para o Montijo, o responsável, citado pela Lusa, sublinhou que  “a opinião de algumas companhias não tem em conta potenciais incentivos”, nomeadamente a disponibilidade de slots (faixas horárias). A propósito afirmou que a ANA – Aeroportos está a “desenhar planos de incentivos para quem vá lá[ao Aeroporto do Montijo] primeiro”, designadamente “vantagens ao nível de taxas”. O mesmo irá acontecer para as empresas que mudem parte das suas operações do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, para o Montijo, acrescentou.

O CEO da ANA avançou também que a avaliação ambiental e estratégica sobre o aeroporto do Montijo “está pronta” e que se houver necessidade legal de a apresentar, a “ANA está em condições de o fazer”.

Sobre a operacionalidade do Montijo, Thierry Ligonnière referiu a  “possibilidade de desenvolver um bocadinho mais” o tráfego naquela infra-estrutura, considerando que “24 movimentos é uma coisa modesta à luz da capacidade do que pode ser acolhido”.

Já sobre o aeroporto de Beja, Thierry Ligonnière afirmou que “é muito longe” por oposição ao Montijo que “é frente a Lisboa e tem uma vantagem de acessibilidade muito curta e rápida, o que não é o caso de Beja”. Assumiu, no entanto, que Beja tem um papel importante a desempenhar ao nível do “estacionamento de aeronaves a longo prazo”.