Angola espera mudar panorama do turismo até 2025

Em declarações à agência Lusa à margem do Fórum Mundial do Turismo, em Luanda, a ministra do Turismo de Angola admitiu que o país tem um longo caminho a percorrer para que a actividade turística se torne “realizável e sustentável”, o que espera que possa acontecer até 2025.

À Lusa, Ângela Bragança sublinhou a dificuldade “sobretudo em congregar a acção dos vários sectores para que o turismo seja sustentável e realizável” e apontou “constrangimentos, como as acessibilidades, que não permitem a fluidez do turismo como queremos. Temos unidades [hoteleiras], mas temos de qualificar e melhorar a oferta e os serviços, formar quadros”.

Sobre o fórum, a governante sublinhou que Angola quer “mostrar a transversalidade do turismo, unindo cultura, ambiente, património e todas as outras valências”, e adiantou que os sucessivos apelos das autoridades angolanas ao investimento “têm estado a resultar”, uma vez que já há “intenções”, faltando agora a “acção de negociação, de opções”.

“Estamos a trabalhar na estratégia até 2025, que é a grande meta traçada para uma Angola diferente. Não podemos separar o turismo das outras valências e a económica é importante. Há programas na área económica que vão até essa data e a nossa perspectiva é até 2025, para dar os passos sustentáveis”, disse ainda.

Reconhecendo que também no que toca ao turismo interno, ainda residual no país, Angola tem de fazer mais no turismo interno apontou como um dos caminhos tornar os estabelecimentos hoteleiros “acessíveis aos cidadãos” e os transportes “mais baratos”.

Actualmente,  Angola conta com um total de 26.000 quartos em cerca de 5.000 unidades hoteleiras (entre hotéis, resorts e similares).