Anúncio de greve na TAP com impacto nas reservas de hotéis

Quem o afirma é a AHP – Associação da Hotelaria de Portugal que em comunicado emitido ontem, avança que os seus associados, “especialmente os de Lisboa e Porto, já registaram o cancelamento de reservas, em directa consequência do anúncio da greve”.
Daí que o presidente da Associação, Luís Veiga, afirme que “esta greve será muito nociva para o turismo em geral e para a hotelaria em particular, e claro, para a TAP e para os passageiros”, trazendo “enormes prejuízos para um sector reconhecido como a alavanca do emprego e da recuperação económica, e para Portugal como destino turístico, por ser fortemente dependente do transporte aéreo”. Por outro lado, por se tratar de um período tão longo, os impactos negativos na hotelaria “começam bem antes, a partir de 25/2Produtos e Serviços de Abril” prolongando-se depois, “até 15 de Maio, com cancelamentos de pré-reservas e desvios para outros destinos concorrentes”.
O maior impacto, afirma Luís Veiga, acontece nas regiões de Lisboa e Porto “destinos de city breaks e de congressos, muito fortes nesta época do ano, e onde mais de 3 /4 dos hoteleiros tinham já pré-reservas e confirmações que apontavam para uma taxa de ocupação superior a Produtos e Serviços5% da capacidade”.
No mesmo comunicado, a AHP diz lamentar “profundamente” a decisão dos sindicatos e deixa claro que “gostaria de poder contribuir para a solução desta situação, cuja lógica escapa ao bom senso”.
M.F.