Apenas o G20 pode liderar uma resposta coordenada à crise

Quem o diz é o WTTC – Conselho Mundial das Viagens e Turismo, que apela aos responsáveis pelas pastas do turismo do G20 que liderem um plano unido e coordenado para a recuperação do sector, num período pós-pandemia.

O Conselho acredita que apenas o G20 tem o poder de influenciar e alavancar um esforço coordenado de recuperação, necessário para a preservação do sector. O encontro extraordinário de ministros do Turismo, a decorrer esta sexta-feira, tem como objectivo discutir o combate à crise que se abateu sobre o sector. Segundo uma análise do WTTC [ler aqui], a pandemia colocou em risco 75 milhões postos de trabalho a nível mundial, com um enorme impacto nos mercados emissores.

O WTTC congratula a decisão dos G20 de congelar a dívida dos países mais pobres, permitindo que melhorem os seus sistemas de saúde para que se salvem vidas e se combata o novo Coronavírus. “O histórico comprovado do G20, que impulsionou a recuperação económica após a crise de 2008, e com o recente congelamento da dívida, prova que este fórum é a melhor plataforma com a velocidade e agilidade necessária para alavancar acções urgentes vitais para definir o ritmo e salvar o sector global das viagens e turismo”, assevera Gloria Guevara, presidente e CEO do Conselho.

A proposta do WTTC é que, em conjunto, os ministros do turismo se comprometam perante o sector privado a garantir quatro princípios para garantir uma rápida recuperação [ler abaixo]. “Isto envolveria incluir o sector privado na resposta coordenada, para garantir que todas as medidas são centradas no viajante. Isto incluiria uma experiência de viagem perfeita, com standards de saúde e segurança aprimorados através de tecnologia, desenvolvendo protocolos conjuntos de saúde público-privada, bem como pacotes de apoio contínuos para o sector do turismo”, explica a responsável.

Gloria Guevara é da opinião que “devemos aprender com experiências passadas que quando o sector privado está envolvido a recuperação é mais rápida”. Seguir os quatro princípios enunciados pelo WTTC vai “reduzir o tempo de recuperação da economia global e garantir aos viajantes que este é o tempo certo de voltar a explorar e visitar”. A importância económica do sector para o G20 é demonstrada no relatório WTTC 2020 Economic Impact, que mostra que o turismo e as viagens garantem mais de 211 milhões de postos de trabalho, correspondentes a 9,5% do total da força de trabalho do G20.

Os quatro princípios sugeridos pelo WTTC para uma rápida recuperação do sector são:

  1. Uma abordagem conjunta entre os sectores público e privado em todo o G20, para reestabelecer operações eficazes, eliminar restrições às viagens e reabrir fronteiras. Isto garantiria uma reabertura eficientes do espaço aéreo e aviação, movimento de pessoas e viagens em larga escala, para reconstruir a confiança nas viagens e turismo;
  2. Melhorar a experiência do viajante, combinando as últimas tecnologias e protocolos para elevar os padrões de saúde. Considerar o “novo normal” do sector das viagens, com componentes de saúde, segurança, higiene e sustentabilidade numa abordagem centrada no viajante;
  3. Trabalhar com o sector privado e especialistas de saúde para definir padrões globais para o novo normal, baseados em ciência, que possam ser facilmente adoptados por negócios de toda a envergadura em todas as indústrias do sector e em todo o mundo;
  4. Continuar a garantir apoios ao sector durante a fase de recuperação, em todo o ecossistema das viagens. Apoio financeiro para trabalhadores e negócios que promova uma recuperação rápida. É vital que se perceba o efeito dominó para que negócios grandes e pequenos possam recuperar e prosperar.