Aviação começa a mostrar melhoras após um Abril “desastroso”

A Associação Internacional do Transporte Aéreo anuncia que a procura por serviços aéreos está a começar a sua recuperação, depois de um mês de Abril em que o tráfego caiu 94,3%, comparativamente a período homólogo de 2019.

A Associação explica que os valores apresentados em Abril representam uma taxa de queda nunca antes vista no seu histórico, iniciado em 1990. “Abril foi desastroso para a aviação […] mas representa, também, o nadir da crise”, elucida Alexandre de Juniac, director-geral e CEO da IATA. Agora, “o número de voos está a crescer”, ao passo que os países começam a levantar as suas restrições à mobilidade.

Alexandre de Juniac assevera haver “sinais positivos à medida que começamos a reconstruir a indústria”. Os números mais recentes mostram que o rácio de voos diários cresceu em 30% entre 21 de Abril e 27 de Maio. “Embora esta subida não seja significativa para a dimensão global da indústria do transporte aéreo, sugere que a indústria chegou ao fundo da crise, desde que não haja recaída”, e é “o primeiro sinal de que a aviação está a começar o que será, provavelmente, um processo longo de restabelecimento da conectividade”.

A retoma das viagens aéreas até ao momento manifestou-se, maioritariamente, nos mercados domésticos. Os últimos dados, referentes ao final de Maio, mostra que o nível de voos da República da Coreia, China e Vietname cresceram até um ponto apenas entre 22 e 28% inferior ao apresentado há um ano. A pesquisa por viagens aéreas no Google cresceu, também, 25% no final do mês de Maio, comparativamente ao ponto baixo de Abril, embora seja um crescimento de uma base muito baixa e ainda assim 60% aquém dos números registados em 2019.