British Airways suspende voos para a China mas não está sozinha

A British Airways deu nota da suspensão de todos os seus voos de e para a China, devido à propagação do novo tipo de coronavírus, mas não está sozinha na medida tomada, sendo já várias as companhias aéreas que decidiram suspender, ou pelo menos reduzir, as operações para e de aeroportos chineses.

No site da British Airways, com ligação bem visível a partir da homepage, poe ler-se que “seguindo os conselhos do Ministério dos Negócios Estrangeiros [ Foreign Office] que são contrários à realização de qualquer viagem não essencial para a China Continental, suspendemos temporariamente e com efeitos imediatos todos os voos de e para Beijing e Xangai., até 31 de Janeiro”, altura em que, segundo a companhia, será de novo analisada a situação, muito embora na sua página oficial não haja voos marcados também para Fevereiro. A companhia anuncia, no entanto, que os voos de e para Hong-Kong continuam a realizar-se.

Também na Europa, e como já foi publicamente anunciado, a Air France suspendeu as ligações para Wuhan, cidade onde teve origem o novo tipo de coronavírus e a alemã Lufthansa, embora não tenha ainda cancelado nenhum dos seus 10 voos diários para a China, implementou várias medidas restritivas, distribuindo máscaras à tripulação de cabine e de terra. O grupo opera dez voos por dia de e para a China.

De acordo com um levantamento feito pela Agência Lusa, a norte-americana United Airlines seguiu as “pisadas” da sua congénere britânica e anunciou já o cancelamento de diversos voos de e para Pequim, Xangai e Hong Kong entre 1 e 8 de Fevereiro. No seu site, a companhia apresenta já a sua política de reembolso de bilhetes específica para esta situação. Assim, os passageiros com viagens marcadas até 29 de Março de e para Wuhan, e até 29 e Fevereiro de e para Beijing, Xangai, Chengdu e Hong-Kong, poderão proceder a alterações de datas.

Por seu turno, a Cathay Pacific, cujo principal ‘hub’ está localizado no aeroporto internacional de Hong Kong, anunciou já que vai reduzir gradualmente os seus voos de e para a China continental em pelo menos metade, até final de Março.

Também até 29 de Março, a companhia aérea da Geórgia não irá realizar voos de e para a China, enquanto a russa Ural Airlines, que opera para Munique, Paris e Roma, anunciou a suspensão de todos os voos para a Europa dado que, segundo a companhia, os seus voos são muito utilizados por grandes grupos de chineses que se dirigem em turismo para a Europa. Também a Seoul Air suspendeu todos os voos para a China, e a indonésia Lion Air, fez saber que suspende a partir de 1 de Fevereiro todos os voos de e para a China.