BTL quer ter cada vez melhores hosted buyers, defende Fátima Vila Maior

A Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) quer ter um programa de hosted buyers cada vez mais segmentado e, tal como aconteceu o ano passado, o MI (Meeting Industry) é um deles.

Num encontro com jornalistas esta terça-feira para apresentar algumas das novidades da edição de 2019 da BTL, que terá lugar de 13 a 17 de Março, a coordenadora de Feiras da FIL, Fátima Vila Maior disse que este ano a Feira deverá contar com 200 e 300 hosted buyers, incluindo os participantes convidados pela ACISO (Associação Empresarial de Ourém Fátima), menos cerca de uma centena que em 2018. Isto porque, defendeu: “queremos ter cada vez melhores hosted buyers e estamos cada vez mais em sintonia com esta estratégia”.

Embora o programa de hosted buyers privilegie a estratégia do Turismo de Portugal e do principal parceiro na área dos transportes, a TAP, e neste caso dê especial destaque aos mercados para onde a companhia aérea tem ligações, este ano com grande aposta nos Estados Unidos e no Canadá, onde tem vindo a investir na expansão da sua rede, Vila Maior sublinhou que “pretendemos uma abordagem cada vez mais segmentada, ou seja, que os comprados internacionais não sejam apenas do lazer, mas que estejam vocacionados para outros segmentos como o enoturismo, o fly & drive, cultural e do MI, que este ano voltamos a privilegiar”.

Ainda em relação ao MI, a coordenadora de Feiras da FIL referiu que “começámos a comercialização da área do MI e estamos a convidar hosted buyers deste segmento porque os hotéis e os DMC’s já cá estão, as empresas de equipamentos e serviços também”. Assim, a feira vai contar com uma sessão de networking no final de cada dia, com vista a promover um maior contacto entre os buyers e as empresas.

No entanto, a BTL deste ano, conforme anunciou Fátima Vila Maior vai potenciar a participação da hotelaria no fim-de-semana com o segmento dos casamentos. “Vamos vender pequenos espaços na zona do alojamento que estarão focalizados no segmento MI durante a semana, e nos casamentos durante o fim-de-semana”, esclareceu a responsável, para acrescentar que “é uma prática interessante e que podemos começar a explorar”.