Cabo Verde reabre portas ao turismo internacional em Julho

Cabo Verde está a preparar-se para recomeçar a receber o turismo internacional a partir de Julho. Para que isso aconteça com toda a segurança todos os operadores do circuito vão estar obrigados a um selo de segurança sanitária.

O anúncio foi feito pelo Governo cabo-verdiano na sexta-feira, 29 de Maio, com o Ministério do Turismo e Transportes a divulgar um comunicado em que dá conta de que “o trabalho de preparação do país, enquanto destino turístico, está em curso, por forma a receber os turistas com segurança e tranquilidade”.

De acordo com o Governo, a planificação da reabertura de Cabo Verde ao turismo internacional deverá ser “cuidadosa” e “gradual” para que “o sucesso no combate à covid-19, nas principais ilhas turísticas, continue a ser consolidado, gerando confiança e credibilidade dos operadores, dos turistas, dos colaboradores e do público em geral”.

Recorde-se que Cabo Verde suspendeu em 19 de Março todas as ligações aéreas internacionais, com o Governo a autorizar apenas voos de repatriamento pontuais, como forma de conter a progressão da pandemia no arquipélago.

Também na sexta-feira, o primeiro-ministro cabo-verdiano anunciou que as ligações aéreas “serão retomadas a partir do dia 30 de Junho incluindo Santiago”, enquanto as “ligações marítimas para o transporte de passageiros com origem e destino na Boavista serão retomadas a partir do dia 1 de Junho” e as “ligações marítimas para o transporte de passageiros com origem e destino em Santiago serão retomadas a partir do dia 30 de Junho”. Já os eventos culturais e desportivos, como festivais, festas e jogos das diversas modalidades, apenas “serão retomadas a partir do dia 31 de Outubro”, afirmou Ulisses Correia e Silva.

Apesar de anunciar a “reabertura do destino turístico Cabo Verde” aos turistas estrangeiros em Julho, o Ministério do Turismo e Transportes e Cabo Verde faz notar que a retoma desses voos também depende do levantamento das restrições de viagens que foram aplicadas nos países de origem.

Avança no entanto que as autoridades cabo-verdianas estão a desenvolver “com carácter de urgência” um “pacote de medidas de fundo” para “mitigar os impactos nefastos previstos na economia e promover a retoma da actividade económica de forma segura e consistente”.

Entre as medidas a adoptar está a implementação do conceito “Cabo Verde – Turismo Seguro”, que tem como base um conjunto de “boas práticas” como a higienização de aviões, transferes, aeroportos, táxis, hotéis, restaurantes, bares, serviços, normas para concentração de pessoas, unidades de tratamento médicos, pessoal médico especializado, a fim de “garantir condições de segurança sanitária no país”. Isto significa que todos os agentes que integram o circuito turístico “serão certificados com um Selo de Segurança Sanitária, de acordo com legislação criada”, garantindo-se, desta forma, que “o país estará em condições para acolher turistas em segurança”. O processo vai ser implementado de forma faseada, “conforme as condições epidemiológicas o permitirem, em todas as ilhas de Cabo Verde”, aponta o Ministério do Turismo.

O comunicado difundido avança ainda que as duas principais ilhas turísticas vão contar com um reforço na área das infra-estruturas da Saúde, com um novo centro de saúde em Santa Maria (Sal) e a remodelação do existente em Sal Rei (Boavista).