Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo quer “medidas urgentes” do Governo Regional para melhorar performance turística

Face à quebra registada no número de dormidas nos Açores, a Direcção da Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo (CCAH) e a sua Comissão de Turismo exigiram, em comunicado, “medidas urgentes” por parte do Governo. Em causa colocam, principalmente, o desempenho das companhias do Grupo SATA e da ATA, enquanto responsável pela promoção turística.

No comunicado a que o Turisver.com teve acesso, a Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo – Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e S. Jorge, reportando-se à quebra de dormidas na região deixa claro que  “devem ser tomadas medidas urgentes pelo Governo Regional para reverter este cenário”.

Entre as medidas está o aumento de lugares nos voos inter-ilhas da SATA Air Açores – os voos existentes não dão vazão aos passageiros que querem visitar outras ilhas a partir de São Miguel – a reversão do “cenário lamentável de contínuos cancelamentos de voos, e alterações de última hora”, nos voos da Azores Airlines e a criação de mais rotas directas da Alemanha e do Canadá para a ilha Terceira.

Está também a promoção turística externa, responsabilidade da Associação de Turismo dos Açores. Neste caso, a apreensão tem a ver, nomeadamente, com a “situação financeira preocupante” da ATA que tem “dívidas a fornecedores e a bancos” e com o facto de o Governo Regional ter anunciado a sua saída de associado desta entidade que tinha já sido abandonada pela SATA.

A CCAH não entende que o Governo Regional deixe às empresas um legado tão difícil como o da ATA e quer explicações sobre o que se está a passar nesta Associação e “em mercados de referência, como a Alemanha e o Canadá, onde se nota um decréscimo de dormidas”.

Colocando em causa a estratégia promocional seguida, esta Câmara do Comércio quer também saber qual o processo em que a ATA está a ser investigada: “Soubemos pelo Ministério Público, que a direcção da ATA não poderia prestar declarações à Comissão Parlamentar da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, por estar a decorrer um processo que se encontra em fase de segredo de justiça. Além disso existindo ainda acusações, ainda que anónimas, a circular nas redes sociais, à gestão da ATA, questionamos os seus motivos. O que está a ser investigado?”, é a interrogação que pode ler-se no comunicado da Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo.