Campanha “Viver os Açores” tem já cerca de 1.700 inscrições

A campanha que incentiva a realização de viagens de lazer dos açorianos dentro do arquipélago já recebeu cerca de 1.700 inscrições por parte de residentes em todas as nove ilhas dos Açores, segundo avançou a secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo.

Marta Guerreiro explica que a adesão a esta acção, em vigor desde 16 de Junho, “permite o acesso a um alargado número de famílias, promovendo a realização de férias cá dentro”, cujos resultados anunciados se referem a viagens já em concretização neste momento ou a realizar nas próximas três semanas. A adesão pode ser feita através de uma plataforma “de fácil acesso” e também nas agências de viagens,

O incentivo, que pode chegar a 175€ por pessoa, ou, por exemplo, 475€ por uma família com três pessoas, “é muito mais do que um mero desconto numa tarifa aérea”, pois promove a “dinamização de variados serviços turísticos de uma forma integrada, ou seja, permite a dinamização da oferta hoteleira, dos restaurantes, das empresas de animação turística e mesmo das agências de viagens”, assevera a governante.

Na sua opinião, “não se pode comparar este modelo integrado com descontos em tarifas”, que poderiam ser aplicados em diferentes tipos de viagens, algumas das quais com pouca dimensão turística. A campanha “Viver os Açores” e a atribuição do selo “Clean & Safe Açores” são, para a titular da pasta do Turismo, “duas medidas que mostram estar alinhadas com as preocupações e motivações dos Açorianos, de acordo com os dados do OTA”.

Marta Guerreiro referia-se aos resultados do estudo elaborado pelo Observatório de Turismo dos Açores, que mostram que “cerca de 84% dos residentes que tencionam realizar uma viagem pretendem fazê-la dentro dos Açores”. Aponta, também, que “42% dos inquiridos referem que estão dispostos a pagar mais por umas férias seguras”, sendo que, para 76% o factor segurança sanitária é importante na escolha dos estabelecimentos e actividades turísticas.

O estudo revela ainda que “os açorianos optarão nas suas férias por alojamento turístico em meio rural ou urbano que contenha espaços verdes”. “Neste momento, existem factores que são primordiais na tomada de decisão das pessoas, posicionando-se à frente do factor preço, principalmente a opção por destinos que oferecem condições de segurança sanitária associadas a uma oferta de descanso e lazer desmassificada”, conclui.