Companhias aéreas apresentam queixa à CE contra as greves francesas

A greve dos controladores de tráfego aéreo (ATC) em França está a pôr as companhias de “cabelos em pé”, o que levou o International Airlines Group (IAG), a easyJet, a Wizz Air e a Ryanair a apresentarem queixa à Comissão Europeia.

Em nota divulgada à comunicação social, as transportadoras aéreas dizem que não pretendem questionar o direito de greve, mas acreditam que França está a infringir as leis da UE ao não permitir voos em todo o país durante as greves, e que aos passageiros que se deparam com sobrevoos está a ser negada a liberdade fundamental de viajar entre os estados membros não afectados pela greve.

Refira-se que até agora, as greves dos controladores de tráfego aéreo franceses aumentaram 300% em relação a 2017. No mês passado, o Senado francês confirmou que, isoladamente, França é responsável por 33% dos atrasos de voos na Europa. O Senado também declara que o direito de greve deve ser equilibrado com a obrigação de prestar serviço público.

Segundo a Eurocontrol, mais de 16.000 voos foram adiados até Junho deste ano devido a greves do ATC, afectando mais de 2 milhões de passageiros.

No Verão passado, a Comissão Europeia informou que, desde 2005, ocorreram cerca de 357 greves de ATC na Europa, o equivalente a um dia de greve mensal por cada ano, quando os céus da União Europeia são interrompidos.