Confederações patronais apelam ao arranque das obras no Montijo

A Confederação do Turismo de Portugal uniu-se a outras confederações patronais no apelo ao Governo para que inicie “sem mais demoras” o processo de reconversão de base militar a aeroporto complementar do Montijo.

A CTP, CCP – Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, CIP – Confederação Empresarial de Portugal, CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal e a CPCI – Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário uniram-se na sequência da Agência Portuguesa do Ambiente confirmar o seu parecer favorável às obras do Aeroporto do Montijo.

Em comunicado afirmam que “tratando-se de uma infra-estrutura aeroportuária de irrefutável benefício para o país e para a economia nacional – servindo os interesses de todas as actividades económicas e dos cidadãos portugueses – o Aeroporto do Montijo apresenta-se, hoje, como a única solução que responderá em termos de custos, eficácia e competitividade a um problema que se arrasta há mais de 50 anos”.

Para as confederações “com o Aeroporto do Montijo, o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa permitirá um crescimento de até 50 milhões de passageiros, potenciando ainda o hub da TAP à América do Norte e à América do Sul, bem como a proximidade aos países da diáspora portuguesa”. “É necessário que o Governo assuma, com clareza e determinação, a urgência de avançar com esta obra, essencial e estratégica para a economia nacional, dando início á fase de implementação do aeroporto do Montijo”, concluem.

O comunicado refere ainda que “o Aeroporto Humberto Delgado atingiu, em 2017, todos os factores de capacidade fixados contratualmente com o Estado, previstos para ser desencadeada uma solução alternativa para aumentar a capacidade aeroportuária da capital. Desde então, este aeroporto tem vindo a perder muitos passageiros por ano, que equivalem a muitos milhões de euros em receitas para o país”.