Congresso APECATE: Governo destaca valor acrescentado das empresas de animação turística

Filipe Silva, do Turismo de Portugal, que representou a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, no VII Congresso da APECATE, reunido na Horta (Açores), destacou o valor acrescentado das empresas de animação turística nas suas mais diversas vertentes, que passam por organizadores de congressos e eventos, de animação cultural ou de turismo de natureza, que proporcionam todo um conjunto de experiências que são depois devidamente empacotadas.

De acordo com este responsável , “são essas empresas que também contribuem para a afirmação cada vez mais forte de Portugal como destino turístico na sua diversidade, de Norte a Sul do país e ilhas”.

Também a secretária de Estado do Turismo, em mensagem de vídeo dirigida a este congresso, realçou as “experiências únicas e irrepetíveis” que o país oferece, para indicar a evolução do número de empresas de animação turística e de organização de eventos nos últimos anos, que em 2015 eram 2.500 passando actualmente para 8.200, o que “demonstra bem que têm sido um dos actores principais nesta afirmação, neste desenvolvimento de produtos que está a acontecer em todo o território”.

Por isso, Ana Mendes Godinho sublinhou que “conto convosco no trabalho de continuação de estruturação de produto para cada vez mais criarmos argumentos para as pessoas visitarem todo o território e ao longo de todo o ano”. Na sua mensagem, a governante referiu-se ao programa de captação de eventos e congressos internacionais para Portugal criado pelo Governo em 2016, e que já conseguiu captar 330 eventos e para 2019 tem 130 já apoiados, “o que demonstra bem o recente dinamismo que estamos a conseguir juntos”, disse.

Na sua intervenção, Filipe Silva lembrou que “não podemos pensar que o dever está cumprido. Há muito trabalho ainda para fazer, nas mais diversas áreas, quer ao nível da regulamentação, capacitação financeira por parte das empresas compostas por mais de 90% de micro e pequenas empresas, bem como grandes desafios ao nível dos recursos humanos, em material de formação turística. Na promoção, cada cêntimo, cada euro que é investido, cada vez mais é numa lógica de perceber qual é o retorno que trazem para a economia e para as empresas portuguesas”.