Conhecimento e criação de valor vão traçar o futuro das agências de viagens, considera o presidente da APAVT

Pedro Costa Ferreira

Num mundo cada vez mais marcado pela tecnologia, em que todos têm acesso a tudo, o futuro das agências de viagens depende ainda mais do conhecimento e da criação de valor. Esta foi apenas uma das ideias que o presidente da APAVT deixou na entrevista que concedeu à revista Turisver de Novembro.

Com o acesso que cada dia está mais facilitado à tecnologia e com estas a serem muito bem dominadas pelas gerações mais jovens, coloca-se a questão do futuro das agências de viagens – deixam elas de fazer sentido ou são mesmo indispensáveis? Para o presidente da APAVT a realidade não cabe totalmente em nenhuma destas opções. Mesmo que hoje o sector das agências de viagens seja caracterizado pela “concorrência ao longo da cadeia de valor” o que quer dizer que todos podem chegar ao consumidor, Pedro Costa Ferreira alerta que “só chega ao consumidor com efectividade quem cria valor”, pelo que “as agências de viagens que criam valor têm lugar” no futuro, até porque o que está na Internet é informação e não conhecimento. Este estado lado do sector, o que “gera uma oportunidade muito grande para as agências de viagens”.

Recordando o estudo realizado há dois anos por Augusto Mateus, segundo o qual no sector da distribuição os profissionais têm um maior grau de instrução, com mais de 50% a terem, pelo menos, uma licenciatura, o presidente da APAVT disse acreditar que “essa diferenciação a nível de recursos humanos é, provavelmente, uma das razões pelas quais nós temos tido tanta flexibilidade e termos conseguido, em momentos diferentes da história, continuar a criar valor e assim chegar ao cliente”.

Pedro Costa Ferreira deixou também claro que, sendo inegável o crescimento que têm registado as vendas online tal não significa que não continuem também a crescer as vendas por parte das agências físicas até porque “se olharmos para o sector em Portugal, sobretudo estamos a falar de agências físicas (…) e continuam a crescer”.

O presidente da APAVT realçou também que “em Agosto deste ano, as agências de viagens bateram o recorde de emissão de viagens aéreas”, que constituem “o produto com mais dificuldade de criação de valor para uma agência de viagens”.

*Leia a entrevista na íntegra na edição de Novembro da revista Turisver