Covid-19: Como estão a lidar com a pandemia a TUI e a Delta Air Lines

Ao longo do passado mês de Março a pandemia de Covid-19 deixou de ser um problema de alguns para ser o problema de todos, uma premissa com consequências também para as maiores empresas do sector turístico. Conheça o que mudou na vida destas empresas nesta nova rúbrica do Turisver.com. Hoje, saiba como estão a lidar com a pandemia o Grupo TUI e a Delta Air Lines, de novas políticas de limpeza a resgates ‘bilionários’.

 

TUI: um empréstimo de 1,8 mil milhões de euros

O Grupo TUI, com sede na Alemanha, é o maior grupo integrado de turismo do mundo, a operar em mais de 100 destinos. Oferece a 28 milhões de clientes serviços integrados a partir de uma única fonte, cobrindo toda a cadeia de valor do sector turístico, com 400 hotéis e resorts, 18 navios de cruzeiros e dois navios de luxo, marcas de operadores turísticos, cinco companhias aéreas com 150 aviões e 1.600 agências de viagens.

No exercício de 2019, o Grupo TUI facturou cerca de 19 mil milhões de euros, com um resultado operacional de 893 mil milhões de euros. Ainda assim, as mais recentes notícias, de 27 de Março, dão conta de um empréstimo de 1,8 mil milhões de euros por parte do KfW, o banco de desenvolvimento estatal alemão, aprovado pelo Governo Federal da Alemanha, que serão utilizados para aumentar a linha de crédito existente da TUI.

O empréstimo, que está sujeito a aprovação por parte dos bancos, requer que a TUI renuncie aos pagamentos de dividendos na duração do mesmo. Fritz Joussen, CEO do Grupo TUI, assegura que “o compromisso do empréstimo do KfW é um primeiro passo importante para que a TUI possa superar com êxito a extraordinária situação actual”. O empréstimo vem amortecer os efeitos sem precedentes desta crise, até que a normal operação do grupo possa ser retomada.

Antes da decisão tomada pelo Governo alemão, a meados de Março o Grupo TUI decidiu suspender a grande maioria das suas operações por tempo indefinido, com o objectivo de mitigar os efeitos de disseminação do Covid-19, respondendo também às restrições de viagens e movimentações por parte de diversos governos. A suspensão das operações, que inclui viagens organizadas, cruzeiros e operações de hotel, surgiu ao mesmo tempo que o Conselho Executivo do Grupo decidiu retirar a orientação para o ano fiscal de 2020.

Já nessa altura o Grupo afirmava ter solicitado auxílio do estado para apoiar o negócio até que as operações normalizem. Não obstante, Fritz Joussen alega que a TUI “é uma empresa muito saudável”. “Eramos economicamente bem-sucedidos antes da crise e seremos novamente depois da crise”, pois “o nosso modelo de negócio está intacto e temos mais de 21 milhões de clientes fiéis”, embora “sejamos temporariamente uma empresa sem produto e sem receita”.

 

Delta reforça compromisso para com os clientes

Ao longo de todo o mês de Março a Delta Air Lines têm vindo a comunicar com os seus clientes, parceiros e colaboradores que a sua segurança é da maior importância. Ainda a 31 de Março comprometia-se em partilhar actualizações o mais rápido possível, com total transparência e com a segurança em mente. A página principal do site da Delta fala em flexibilidade na gestão das reservas, ajustes na experiência de viagem e, novamente, compromisso com a segurança.

Têm sido diversas as actualizações publicadas pela Delta Air Lines, desde alterações de rotas, cancelamentos, desvios e suspensões de operações, bem como as últimas novidades em que tem vindo a apostar a nível de limpeza e desinfecção, até dicas em como viajar em segurança. “A informação é mais importante que nunca”, avança a empresa que afirma ter um relacionamento contínuo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças e a Organização Mundial da Saúde, bem como com os principais especialistas em doenças transmissíveis do mundo, para “garantir que tudo o que fazemos atenda ou exceda as suas directrizes”.

É nesta sequência que foi implementado, que a companhia aérea transformou os seus padrões de limpeza nos aeroportos e aviões através do novo conceito Delta Clean, um padrão a ser seguido agora, mas também no futuro. Bill Lentsch, Chief Costumer Experience Officer da Delta, acredita que “os mais altos níveis de limpeza não devem estar reservados a tempo de crise”, sendo que “os clientes merecem sentir-se confiantes e seguros sempre que decidam viajar”. Mais informações sobre o Delta Clean [aqui].

Para além do seu compromisso com a limpeza e segurança, a Delta Air Lines tem vindo a apostar na flexibilização das reservas dos seus clientes. Desta forma, deixou de cobrar taxas de alteração e está a trabalhar junto dos seus clientes para ajustar os seus planos de viagem, utilizando parcerias com outras companhias aéreas sempre que necessário. Se o cliente optar por cancelar o voo, a empresa optou pela opção de transformar a tarifa paga em eCredits para utilizar mais tarde.

Por fim, e como seria de esperar, a companhia aérea tem vindo a ajustar a sua rede à medida que surgem cada vez mais restrições às viagens aéreas, e em resposta às orientações da Casa Branca, do Departamento de Estado e dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, ao mesmo tempo que garante ouvir os clientes em relação a quais os destinos para os quais precisam de voar neste período conturbado. A Delta reduziu significativamente a sua programação transatlântica, pelo que em Abril conta apenas com um voo por semana entre Atlanta e Amesterdão, Detroit e Amesterdão e Atlanta e Londres Heathrow.

A Delta, com sede em Atlanta, é uma das mais importantes companhias aéreas dos Estados Unidos da América, a terceira maior em todo o mundo. Liga, anualmente cerca de 200 milhões de passageiros a 300 destinos em 50 países, contando com cerca de 15.000 partidas diárias, incluindo voos operados por parceiros. Em tempos ditos normais liga Lisboa a Nova Iorque JFK diariamente e a Boston também diariamente num voo sazonal, no Verão. Opera ainda uma rota sazonal diária entre Ponta Delgada, Açores, e Nova Iorque JFK.

Todas as actualizações da companhia aérea estão disponíveis no Delta News Hub.