Discovery Hotel Management com vários projectos em pipeline

A DHM – Discovery Hotel Management tem vários projectos em andamento que começarão a entrar em funcionamento a partir de 2019, a que se somam as múltiplas renovações previstas para o próximo ano. A maior parte dos projectos, no entanto, não tem data definida mas deverá ver a luz do dia entre 2020 e 2021.

Entre os projectos que irão abrir após 2019, estão os dois maiores activos da DHM, o Ocean Ville, em Albufeira, e o Sesimbra Bay, em Sesimbra. Nenhuma das duas unidades representa um novo activo na DHM já que, segundo explicou Francisco Moser, Managing Director da DHM num encontro com a imprensa, esta quinta-feira, “os dois hotéis estão no Fundo desse o início, ou seja, desde 2013”, o que agora vai ocorrer é o desenvolvimento dos projectos.

O Ocean Ville, em Albufeira, é um empreendimento que inclui apartamentos, dois blocos de vilas e um hotel que no seu conjunto somam 300 unidades de alojamento, sendo que o hotel conta com 96 quartos. Trata-se de um megaprojecto, como classificou Francisco Moser, Managing Director da DHM, avançando que “neste momento já temos o master plan muito adiantado e estamos em conversações com uma marca internacional para, eventualmente, fazermos um contrato ou de franchise ou de management”. O que está decidido é que “vamos ter ali uma marca internacional”.

Já o Sesimbra Bay, composto por um total de 203 apartamentos, distribuídos em três blocos. Trata-se de um activo “interessante, sob o ponto de vista do apartamento mas sob o ponto de vista da gestão hoteleira é um grande desafio”, considerou Francisco Moser. Neste caso, está a DHM está a analisar a possibilidade de ter nesta unidade “uma parceria com uma marca que tenha distribuição”.

Já em São Miguel, ao lado do Hotel Azor, que também pertence ao Fundo, a DHM vai erguer, no espaço das galerias comerciais Pêro de Teive, aquele que será o primeiro hotel que construirá de raiz. A unidade, que ainda se encontra em licenciamento, irá contar com 109 quartos e será um smart hotel, ou seja, terá como foco as novas tecnologias, destinando-se, por isso, às gerações mais jovens. A construção da unidade deverá arrancar em 2020 para ficar concluída, provavelmente, em 2021.

Já na ilha Terceira, muito próximo a Angra do Heroísmo, a DHM irá abrir o Terra do Mar, com 118 quartos e 60 vilas com dois e três apartamentos, sendo considerado o maior desafio do grupo.

Também Lisboa terá um novo hotel da DHM que, no entanto irá ser gerido pela cadeia Meliá. Trata-se de uma unidade que ocupará um edifício na esquina da Fontes Pereira de Melo com a Joaquim António de Aguiar.

Soma-se ainda um projecto localizado numa herdade de 11 hectares a cerca de 20 minutos de Évora, concretamente o hotel Perdiganito que pertenceu ao ex-futebolista Vítor Baía. Com 57 quartos, a unidade nunca chegou a abrir portas e a sua remodelação “vai dar muito trabalho”, considerou o director-geral da DHM.

De sublinhar que entre as várias remodelações e reaberturas programadas para 2019 está o hotel da serra de Monchique, concretamente o antigo MacDonald Monchique Resort. Dotado de 185 quartos, o hotel irá reabrir portas em Março do próximo ano.