DMT: Açores ainda precisam de mais turistas

Esta foi uma das conclusões do debate sobre a sustentabilidade do turismo nos Açores, realizado no âmbito da conferência que assinalou o Dia Mundial do Turismo. Na segunda parte do evento ficou claro que o turismo sustentável só é alcançável com o empenhamento de todos e, neste caso, a esmagadora maioria da população do arquipélago está com o turismo.

Sobre o processo de certificação dos Açores como Destino Turístico Sustentável muito se falou na conferência que assinalou o Dia Mundial do Turismo, numa organização da CTP e do Governo dos Açores. Na segunda parte do evento, o tema esteve em foco através da intervenção de Jorge Alves, coordenador da Estrutura de Gestão da Sustentabilidade do Destino Turístico Açores, que deu pormenores sobre todo o processo e deixou claro que os açorianos estão com o turismo. “97% considera que o turismo é bom para os Açores”, revelou o responsável, adiantando também que no arquipélago “8% das pessoas estão a trabalhar na hotelaria, restauração e similares”.

Seguiu-se um debate em torno do mesmo tema, com a participação de Marta Sousa Pires, administradora executiva da Bensaude Turismo, Carlos Morais, presidente da ATA, Luís Rego, administrador da Ilha Verde, e José Romão Braz, vice-presidente do Conselho de Administração da Finançor que, de forma unânime, consideraram que os Açores não têm turistas a mais.

Para Marta Sousa Pires, os Açores precisam ainda “de mais turistas” já que “temos meses muito difíceis” e o turismo ainda não se distribui da mesma forma nas várias ilhas. Uma opinião partilhada por Luís Rego que defenderia que “ainda temos muito para crescer” e que, no caso do rent-a-car “a sazonalidade ainda é mais vincada” que na hotelaria.

“Estamos muito longe de ter um turismo de massas” w “a nossa identidade ainda não está alterada”, diria Carlos Morais, com José Romão Braz a garantir também que “não temos turistas a mais” e que “cada ilha é um caso diferente”.

Realizada no Nonagon – Parque de Ciência e Tecnologia de São Miguel, a conferência contou com a intervenção de António Sampaio da Nóvoa, Embaixador de Portugal na UNESCO, como keynote speaker, e a apresentação do estudo ‘Impacto da Economia Digital na Actividade Económica do Turismo’, por Miguel de Castro Neto e Carlos Réis Marques, da NOVA IMS – Information Management School.