euroAtlantic airways nega acordo da STP Airways com a Ceiba Intercontinental

Na semana passada o ministro da Obras Públicas de STP avançou que as companhias áreas de São Tomé e da Guiné Equatorial tinham assinado um acordo para assegurar as ligações domésticas e internacionais do arquipélago, com a Ceiba a substituir a euroAtlantic, um memorando ao qual a companhia portuguesa se declara “alheia”.

A euroAtlantic airways, maior accionista e gestora da STP Airways, declara-se “totalmente alheia às declarações e agenda do ministro Osvaldo Abreu”, que na passada semana referia que “o Governo da República Democrática de São Tomé e Príncipe assinou com o Governo da Guiné Equatorial um memorando que permitirá à companhia aérea desse país, a Ceiba Intercontinental, assegurar a ligação aérea entre São Tomé e Príncipe e Portugal”.

As declarações de Osvaldo Abreu, ministro das Obras Públicas, Infra-estruturas, Recursos Naturais e Ambiente de São Tomé e Príncipe, surgem no decorrer da visita de oito dias do chefe de Estado são-tomense, Evaristo Carvalho, à Guiné Equatorial, terminada a 21 de Agosto. O acordo permitiria à Ceiba, que voa para a Europa sob administração da portuguesa White, assegurar as ligações aéreas entre o arquipélago e a Europa, designadamente a Portugal.

À agência Lusa, Osvaldo Abreu afirmava na semana passada que o memorando estipula que a Ceiba Intercontinental “coloque aviões ao serviço da companhia aérea nacional, que serão operados pela White”, e que “o acordo ainda está a ser negociado, mas há já um compromisso das partes, que a Ceiba passa a ser a próxima parceira da STP Airways, após a reritada da euroAtlantic airways”.

Agora, a euroAtlantic airways atesta que o referido memorando assinado em Malabo, capital da Guiné Equatorial, pelo presidente da STP Airways, António Aguiar, “não tem nenhum valor jurídico”, e que a companhia aérea “esclarece que esta matéria não foi levada a Assembleia Geral de accionistas pelo gestor nomeado pelo Governo” e que como gestores legais executivos oficializados pelos estatutos da companhia não tiveram conhecimento da matéria.

Em comunicado, a EAA “afirma ser falso que exista um memorando assinado entre a sua participada STP Airways e a companhia Ceiba Intercontinental”. A companhia aérea avança ainda que “face aos enormes danos e prejuízos que estas notícias especulativas estão a provocar”, vai “junto dos tribunais internacionais requerer uma avultada indemnização compensatória, considerando o prestígio da sua marca, como o da marca STP Airways”.