euroAtlantic airways reage a declarações de David Neeleman

A euroAtlantic airways reagiu, em comunicado emitido na passada sexta-feira, a declarações do accionista da TAP, David Neeleman, proferidas no Congresso Nacional de Hotelaria e Turismo que decorreu em Ponta Delgada, segundo as quais, “a euroAtlantic tira espaço a companhias que trazem turistas para Lisboa”.

A afirmação de David Neeleman vinha no seguimento das suas queixas sobre a falta de espaço no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, que considerou estar esgotado e, por isso, impedir o crescimento da TAP. A alusão feita à euroAtlântic, e reproduzida em alguns órgãos de comunicação, não agradou a esta empresa que as considerou uma “ingerência em matérias que não são da sua competência”. A euroAtlantic acusa ainda Neeleman de “desrespeitar a ética habitual nesta indústria”.

No mesmo comunicado, a empresa afirma que “tem, desde 1997, as suas aeronaves baseadas no actual Aeroporto Humberto Delgado de Lisboa, tendo efectuado avultados investimentos nas suas instalações contíguas, onde concentra os seus departamentos de Manutenção, Operações de Voo e Handling” mas que “quando necessário e em coordenação com as autoridades aeroportuárias, estaciona as suas aeronaves nos Aeroportos de Beja, Faro ou Porto, a fim de contribuir para o descongestionamento da placa de estacionamento de Lisboa, com significativos custos directos e prejuízos para a sua componente de negócios de ACMI (aluguer de aviões a outras companhias aéreas)”.

A empresa acrescenta ainda que “o problema da falta de espaço no Aeroporto de Lisboa afecta todas as companhias aéreas e em particular a euroAtlanticairways, pelo que é oportuno e premente procurar solução junto das autoridades competentes” mas sublinha que “não é aceitável” que David Neeleman “aponte soluções para a euroAlantic airways”.